Vazamento radioativo misterioso remonta à Rússia

Foi confirmado que a radiação detectada na Europa em 2017 veio de uma usina nuclear russa.Quando cientistas na Itália detectaram um aumento inesperado no rutênio-106 radioativo em outubro de 2017, desencadearia um mistério por mais de dois anos, enquanto as autoridades trabalhavam incansavelmente para determinar a fonte.

A radiação foi captada em toda a Europa, bem como em partes da Ásia e da Península Arábica.

Agora, após um esforço renovado para chegar ao fundo do mistério, os cientistas finalmente conseguiram confirmar que a fábrica de processamento nuclear de Mayak, no sul da Rússia, nas montanhas do Ural, era responsável.

A Rússia sempre negou responsabilidade e ainda não comentou as últimas descobertas.“Medimos o rutênio radioativo 106”, disse o pesquisador Georg Steinhauser. “As medidas indicam a maior liberação singular de radioatividade de uma planta civil de reprocessamento”.

Felizmente, os níveis de radiação eram baixos demais para causar danos à saúde humana; no entanto, o vazamento expôs a Europa a 100 vezes mais radiação do que o desastre de Fukushima no Japão em 2011.

Acredita-se que a mesma usina tenha sido responsável pelo segundo desastre nuclear mais grave do mundo após Chernobyl, quando um tanque de resíduos de plutônio explodiu em 1957.

O acidente foi encoberto e permaneceu em segredo até 1976.

Deixe seu comentário!