Um dos primeiros produtos da Sony: uma panela elétrica de arroz

Em setembro de 1945, Masaru Ibuka voltou a Tóquio para começar a trabalhar na capital danificada pela guerra. Uma sala estreita com uma mesa telefônica localizada no terceiro andar da loja de departamentos Shirokiya (loja de departamentos Tokyu que fechou em janeiro de 1999) em Nihombashi se tornou a nova oficina para Ibuka e seu grupo. Mal tendo sobrevivido aos incêndios de guerra, o edifício tinha rachaduras em todo o seu exterior de concreto. Sem janelas, o novo escritório era pequeno e sombrio. Gradualmente, o ambiente do escritório começou a melhorar conforme as placas de aço silício, as máquinas de perfuração e outros equipamentos foram transportados da fábrica de Suzaka, e o pessoal que estava amarrando pontas soltas lá se juntou à equipe da Shirokiya.

Em outubro, Ibuka e seu grupo estabeleceram uma nova instalação, chamada “Tokyo Tsushin Kenkyujo” (Totsuken), ou “Tokyo Telecommunications Research Institute”. Embora todos estivessem ansiosos para trabalhar para a nova empresa e ajudar a reconstruir o Japão do pós-guerra com seu know-how de engenharia, ninguém sabia o que fazer a princípio.

A maior parte dos salários era paga com as pequenas e cada vez menores economias de Ibuka. Para permanecer no negócio, eles tinham que fazer algo. Após a guerra, os japoneses estavam famintos por notícias de todo o mundo. Muitos tinham rádios danificados pela guerra ou aqueles que tiveram a unidade de ondas curtas desconectada pela polícia militar para evitar que sintonizassem a propaganda inimiga. A fábrica da Ibuka consertou rádios e fez conversores ou adaptadores de ondas curtas que poderiam facilmente transformar rádios de ondas médias em super-heteródinos, ou receptores de todas as ondas. A demanda por esses rádios estava aumentando rapidamente.

Os adaptadores de ondas curtas atraíram grande atenção, e o Asahi Shimbun os incluiu em sua coluna “Lápis Azul”. Como resultado, a demanda aumentou ainda mais. Este artigo também reuniu Ibuka e Akio Morita novamente (*). Quando a guerra acabou, Morita estava de volta em casa em Kosugaya, na província de Aichi. Um dia, ele leu a coluna que mencionava o nome de Ibuka e escreveu imediatamente ao amigo. Ibuka respondeu imediatamente, instando Morita a ir a Tóquio. Desde que lhe ofereceram um emprego como palestrante no Instituto de Tecnologia de Tóquio (Tokodai), Morita não perdeu tempo em se mudar para Tóquio e renovar seu conhecimento.

Além do trabalho, os reparos de rádio trouxeram aos funcionários uma recompensa extra. Freqüentemente, recebiam arroz das casas que visitavam em visitas de serviço, além de uma taxa normal de serviço. Isso foi muito apreciado durante uma época de séria escassez de alimentos.

Posteriormente, a fábrica de Ibuka trabalhou em uma panela elétrica de arroz (foto). Como as usinas de guerra foram fechadas, havia mais eletricidade do que o necessário na época. Esse excedente alimentou o desejo de Ibuka de produzir itens necessários ao dia a dia. A panela elétrica de arroz, feita meramente por eletrodos de alumínio entrelaçados que eram conectados ao fundo de uma banheira de madeira, era um produto primitivo. O resultado dependeu muito do tipo de arroz usado e do peso da água. O arroz saboroso era uma raridade, pois a panela elétrica de arroz produzia principalmente arroz mal cozido ou cozido demais. Foi um primeiro fracasso memorável para Ibuka e sua equipe.

(*) Ibuka e Morita, os fundadores da Sony, se encontraram pela primeira vez nas reuniões do Comitê de Pesquisa em Tempo de Guerra que estudava novos tipos de armas durante a guerra. Os dois homens se tornaram amigos próximos, mas Ibuka era mais de uma dúzia de anos mais velho.

Deixe seu comentário!