Telescópios observam primeira fonte de luz de onda gravitacional

Pela primeira vez, as ondas gravitacionais e a luz foram pegas em um mesmo evento cósmico.

A conquista inovadora, que foi revelada na sede do Observatório Europeu do Sul em Garching, na Alemanha, sinaliza o início de uma nova era da astronomia.

Quando o Observatório de Onda Gravitacional do Interferômetro Laser (LIGO) em Washington pegou um sinal em agosto, dezenas de telescópios e observatórios em todo o planeta voltaram seu olhar para sua fonte na constelação Hydra.

Este grande esforço colaborativo resultou em luzes e ondas gravitacionais detectadas a partir do mesmo evento – uma colisão cataclísmica entre duas estrelas de nêutrons a 130 milhões de anos-luz de distância.

“Eu não acho que está fora de questão que este é o evento astronômico mais observado de todos os tempos”, disse David Shoemaker, porta-voz da LIGO. “É uma noção emocionante, e um pouco esmagadora”.

“Temos cerca de um quarto e um terço de todos os astrônomos do mundo trabalhando conosco”.

O que isso significa é que agora é possível observar grandes eventos astronômicos, primeiro pegando as ondas gravitacionais e depois usando essa informação para dizer aos telescópios convencionais onde procurar.

Basta dizer que as possibilidades de novas descobertas são infinitas.

“Superlativos falham”, disse o cientista da LIGO, Richard O’Shaughnessy. “Esta é uma transformação da maneira que vamos fazer astronomia. É fantástico”.

Deixe seu comentário!