Supervulcão de Yellowstone pode explodir a qualquer momento

Sob o solo do Parque Nacional de Yellowstone, encontra-se um vulcão monstruoso que teve sua última “super erupção” há mais de 630 mil anos. Ele poderia entrar em erupção de novo.

Os cientistas que trabalham em e ao redor do Parque Nacional de Yellowstone estão tentando responder a uma grande questão sobre o supervulcão gigante adormecido sob a atração turística.

Pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona analisaram minerais em cinzas fossilizadas da mega erupção mais recente. As mudanças na temperatura e na composição que haviam levado séculos para formar, agora estão acontecendo no decorrer de décadas, de acordo com a National Geographic .

A descoberta, que foi apresentada em uma recente conferência de vulcanologia, vem em cima de um estudo de 2011 que descobriu que o terreno acima do reservatório de magma em Yellowstone tinha aumentado em cerca de 10 polegadas em sete anos.

“É uma elevação extraordinária, porque abrange uma área tão grande e taxas muito altas”, disse o Bob Smith, da Universidade de Utah, especialista em vulcanismo de Yellowstone na época.

As características do parque, como o geyser Old Faithful e a Grand Prismatic Spring atraem visitantes de todo o mundo, são sinais de um enorme reservatório de magma abaixo da superfície.

Cerca de 630.000 anos atrás, informou a National Geographic, uma poderosa erupção sacudiu a região e criou a caldeira de Yellowstone, uma tigela de 40 milhas de largura que forma grande parte do parque.

Talvez ominosamente, de acordo com o site da ZME Science, a erupção anterior ocorreu aproximadamente no mesmo período – 1,3 milhões de anos atrás – o que significa que o sistema pode estar pronto para outra explosão.

Os pesquisadores agora determinaram que o supervulcão tem a capacidade de vomitar mais de 1.000 quilômetros cúbicos de rocha e cinzas – 2.500 vezes mais material do que o Monte St. Helens em 1980 – um evento que poderia cobrir a maioria dos os Estados Unidos em cinzas e, possivelmente, mergulhar a Terra em um inverno vulcânico.

A teoria de uma linha de tempo muito mais curta do que o esperado foi desenvolvida por Hannah Shamloo, uma estudante de pós-graduação no Arizona State e vários colegas que passaram semanas no Lava Creek Tuff de Yellowstone – um depósito de cinzas fossilizadas de sua última supererupção.

Se isto realmente acontecer, vamos ter um período bem sombrio na Terra.

Deixe seu comentário!