Sarcófago egípcio antigo ‘amaldiçoado’ revela seus terríveis segredos

Os cientistas começaram a desvendar lentamente o mistério de três esqueletos encontrados enterrados em um enorme caixão de granito.

Medindo 2,7 metros de comprimento, 1,5 metro de largura e 1.8 metro de altura, o caixão, que foi descoberto em um canteiro de obras em Alexandria após uma inspeção preliminar por uma equipe do ministério de antiguidades do Egito, remonta cerca de 2.000 anos e é o maior sarcófago já descoberto no cidade.

Quando os arqueólogos levantaram a tampa em julho, eles descobriram os restos de três esqueletos que estavam parcialmente submersos em um líquido vermelho fedorento que se acreditava ser esgoto.

Exatamente quem eram esses indivíduos e por que eles foram enterrados em um caixão tão enorme não estava claro, mas agora, após uma análise dos restos mortais, os cientistas começaram a juntar as respostas lentamente.

Acredita-se que o túmulo em si remonta ao período ptolemaico entre 305 aC e 30 aC

Os esqueletos pertencem a uma mulher de 20 e poucos anos, um homem de 30 e poucos anos e um segundo homem de 40 e poucos anos.

De particular interesse foi a descoberta de um buraco circular em um dos crânios, que os especialistas acreditam ser evidência de trepanação – um procedimento cirúrgico antigo usado para aliviar a pressão sobre o cérebro.

O líquido repugnante em que foram encontrados estava determinado a ser uma combinação de esgoto que vazou para o caixão e os restos em decomposição dos embrulhos nos quais os corpos foram enterrados.

Outros testes, incluindo uma análise de DNA e tomografias computadorizadas, ainda estão por ser realizado.

Deixe seu comentário!