Recifes de coral resistiram a morte dos dinossauros

Um novo estudo revelou que os recifes de corais existem há muito mais tempo do que se imaginava.

Com vastas áreas dos recifes de coral do mundo expulsando suas algas simbióticas e tornando-se mortalmente brancas devido aos efeitos do aumento da temperatura do oceano, o futuro da Grande Barreira de Corais da Austrália e outros grandes sistemas de recifes de corais tem parecido cada vez mais sombrio.

De acordo com um estudo recente de uma equipe internacional de cientistas, no entanto, os recifes de corais podem realmente ser muito mais resistentes à mudança climática do que acreditamos.

Para a pesquisa, os cientistas tiveram como objetivo estudar a diversidade das espécies de algas que têm uma relação simbiótica com o coral – o que significa que os dois dependem uns dos outros para sobreviver.

As descobertas indicaram que essa relação pode ter existido por muito mais tempo do que se imaginou – até 160 milhões de anos – o que é 100 milhões de anos a mais do que se pensava anteriormente.

A descoberta implica que os recifes de coral conseguiram sobreviver a vários eventos catastróficos importantes, incluindo o devastador evento de extinção em massa que destruiu os dinossauros.

“Nosso reconhecimento da verdadeira origem dos micróbios que dão vida aos corais é uma grande revelação”, disse o principal autor do estudo, o professor Todd LaJeunesse.

“Eles são muito mais antigos do que o estimado anteriormente.”

A descoberta também pode significar que os recifes de corais podem não ser eliminados pelas mudanças climáticas atuais.

“Isso nos diz que eles são incrivelmente resilientes e provavelmente estarão por aí por muito tempo”, disse LaJeunesse.

“Com isso dito, a sobrevivência das atuais mudanças rápidas em nosso clima pode não ser muito bonita. A função do ecossistema pode entrar em colapso.”

Deixe seu comentário!