Quem foi Rachel de Queiroz?

Rachel de Queiroz foi uma romancista brasileira e membro de um grupo de escritores do Nordeste conhecidos por suas novelas modernistas de crítica social, escritas de forma coloquial.

Queiroz foi criada por intelectuais em uma fazenda nos semi-áridos do estado do Ceará, no Nordeste do Brasil, e a região – com suas secas periódicas, estão homens e mulheres esquecidos – que ganharam atenção em sua escrita.

Suas habilidades criativas foram reconhecidas cedo e começou a trabalhar como jornalista do jornal regional O Ceará aos 16 anos. Seu primeiro livro, O quinze (1930), foi uma novela de gênero concebida a mostrar como as eram famílias forçadas a abandonar suas casas na seca de 1915;

Em seus textos, mostra simpatia especial pelo papel das mulheres nesta sociedade semifeudal. Embora tenha as características de uma primeira novela, o livro também é digno de nota por sua tentativa de refletir a linguagem falada e não literária, e foi aclamada por críticas sofisticadas no Rio e São Paulo.

Uma tentativa de fazer o enredo de sua segunda novela, João Miguel (1932), encerrou sua breve associação com o Partido Comunista. Seu terceiro romance, Caminho de Pedras (1937) é a história de uma mulher que rejeita seu papel tradicional e abraça um novo senso de independência.

Como As Três Marias (1939), seu primeiro trabalho a ser escrito em primeira pessoa, segue a vida de três amigos da infância de sua reunião em uma escola do convento até a idade adulta e expõe o sistema educacional inadequado e o papel limitado permitido às mulheres na sociedade brasileira.

Queiroz, então, se mudou para a Ilha do Governador na Baía de Guanabara (perto do Rio). Lá, ela escreveu crônicas, um subgênero de prosa de peças curtas, muitas vezes poéticas, que variam em forma e assunto.

As suas crônicas foram publicadas semanalmente e, em 1948, recolheu várias delas no livro A donzela e a Moura Torta. Ela foi pioneira neste estilo no Brasil. Seu romance O galo de ouro foi publicado pela primeira vez em 1950, mas ela ficou infeliz com isso, e o reestruturou completamente para a versão de livro de 1985.

A primeira de suas três peças, Lampião (1953) trata as ações desse bandido lendário e sua amante, Maria Bonita, que abandona seu marido e filhos para segui-lo. A maioria dos críticos preferiu sua segunda peça, A Beata Maria do Egito (1958), que atualiza a lenda do mártir Santa Maria Egipcíaca, colocando a ação em um pequeno remanso brasileiro. Seu terceiro esforço foi Teatro (1995).

Grande parte da vida de Queiroz foi dedicada em grande parte à redação de crônicas. Ela adquiriu uma audiência em massa por seus breves ensaios jornalísticos sobre assuntos de interesse geral e publicou várias coleções posteriores, incluindo O Brasileiro Perplexo (1963), O Caçador de Tatu (1967), As Menininhas e Outras Cronicas (1976) e Mapinguari: crônicas (1989).

Entre suas obras posteriores de ficção estão Dôra, Doralina (1975) e Memorial de Maria Moura (1992), filmado como uma minissérie para a televisão brasileira em 1994.

Em 1993, recebeu o Prêmio Camões, o prêmio mais prestigiado e remuneratório atribuído à literatura de língua portuguesa.

Em 1977, Queiroz tornou-se a primeira mulher a ser eleita para a Academia Brasileira de Letras. Ela foi membro do Conselho Federal de Cultura de 1967 a 1985 e em 1966 foi delegada para a ONU.

Deixe seu comentário!