Quem foi Joseph Goebbels? Qual a ligação com Hitler?

Em 1933, ano em que Adolf Hitler (1889-1945) se tornou chanceler da Alemanha, nomeou Joseph Goebbels (1897-1945), seu amigo e colega de confiança, para o cargo-chave de ministro para o esclarecimento público e propaganda.

Nessa qualidade, Goebbels foi encarregado de apresentar Hitler ao público da forma mais favorável, regulamentando o conteúdo de toda a mídia alemã e fomentando o anti-semitismo. Goebbels forçou artistas, músicos, atores, diretores e editores de jornais e revistas judeus ao desemprego e encenou uma queima pública de livros considerados “não alemães”.


Ele também liderou a produção de filmes de propaganda nazista e outros projetos. Goebbels permaneceu neste cargo e foi leal a Hitler até o final da Segunda Guerra Mundial (1939-45). Em 1 de maio de 1945, um dia após Hitler cometer suicídio,

Joseph Goebbels: primeiros anos

Paul Joseph Goebbels nasceu em 29 de outubro de 1897, em Rheydt, Alemanha, uma cidade industrial localizada na Renânia.

Por causa de um pé torto que adquiriu durante uma crise de osteomielite na infância, um inchaço da medula óssea, o jovem Goebbels foi dispensado do serviço no exército alemão durante a Primeira Guerra Mundial (1914-18).

Em vez disso, ele frequentou uma série de universidades alemãs, onde estudou literatura e filosofia, entre outras disciplinas, e obteve um doutorado. em Filologia Alemã pela Universidade de Heidelberg.

Você sabia? Apesar do anti-semitismo que Joseph Goebbels promoveu como ministro alemão para o esclarecimento público e propaganda, alguns de seus professores favoritos eram judeus, e Goebbels já foi noivo de uma jovem que era parcialmente judia.

Na primeira metade da década de 1920, depois de tentar sem sucesso estabelecer uma carreira como jornalista, romancista e dramaturgo, Goebbels tornou-se membro do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (nazista), que promovia o orgulho alemão e o anti-semitismo.

Goebbels eventualmente conheceu o líder da organização, Adolf Hitler. Naquela época, a inflação havia destruído a economia alemã, e o moral dos cidadãos alemães, que haviam sido derrotados na Primeira Guerra Mundial, estava baixo. Hitler e Goebbels eram da opinião de que palavras e imagens eram dispositivos poderosos que poderiam ser usados ​​para explorar esse descontentamento.

Hitler ficou impressionado com a capacidade de Goebbels de comunicar seus pensamentos por escrito, enquanto Goebbels estava encantado com o talento de Hitler para falar na frente de grandes multidões e empregar palavras e gestos para brincar com o orgulho nacionalista alemão.

Goebbels: subindo nas fileiras do partido nazista
Goebbels ascendeu rapidamente às fileiras do Partido Nazista.

Primeiro, ele se separou de Gregor Strasser (1892-1934), o líder do bloco partidário mais anticapitalista, que ele inicialmente apoiou, e juntou-se ao mais conservador Hitler. Então, em 1926, ele se tornou um líder de distrito do partido em Berlim. No ano seguinte, ele estabeleceu e escreveu comentários no Der Angriff (O Ataque), um jornal semanal que defendia a linha do Partido Nazista.

Em 1928, Goebbels foi eleito para o Reichstag, o Parlamento alemão. Mais significativamente, Hitler o nomeou diretor de propaganda do Partido Nazista. Foi nessa posição que Goebbels começou a formular a estratégia que moldou o mito de Hitler como um líder brilhante e decisivo.

Ele organizou reuniões políticas massivas nas quais Hitler foi apresentado como o salvador de uma nova Alemanha. Em um golpe de mestre, Goebbels supervisionou a colocação de câmeras de cinema e microfones em locais essenciais para acentuar a imagem e a voz de Hitler.

Tais eventos e manobras desempenharam um papel fundamental em convencer o povo alemão de que seu país recuperaria sua honra apenas dando apoio inabalável a Hitler.

Joseph Goebbels: Ministro da Propaganda de Hitler
Em janeiro de 1933, Hitler tornou-se chanceler alemão e, em março daquele ano, nomeou Goebbels o ministro do esclarecimento público e propaganda do país.

Nessa qualidade, Goebbels tinha jurisdição total sobre o conteúdo de jornais, revistas, livros, músicas, filmes, peças de teatro, programas de rádio e artes plásticas alemães. Sua missão era censurar toda a oposição a Hitler e apresentar o chanceler e o Partido Nazista da forma mais positiva, enquanto incitava o ódio ao povo judeu.

Em abril de 1933, por ordem de Hitler, Goebbels orquestrou um boicote às empresas judaicas. No mês seguinte, ele foi uma força orientadora na queima de livros “não-alemães” em uma cerimônia pública na Ópera de Berlim.

As obras de dezenas de escritores foram destruídas, incluindo os autores alemães Erich Maria Remarque (1898-1970), Arnold Zweig (1887-1968), Thomas Mann (1875-1955), Albert Einstein (1879-1955) e Heinrich Mann ( 1871-1950), e não alemães como Émile Zola (1840-1902), Helen Keller (1880-1968), Marcel Proust (1871-1922), Upton Sinclair (1878-1968), Sigmund Freud (1856-1939) , HG Wells (1866-1946), Jack London (1876-1916) e André Gide (1869-1951).

Em setembro de 1933, Goebbels tornou-se diretor da recém-formada Câmara de Cultura do Reich, cuja missão era controlar todos os aspectos das artes criativas.

Um desdobramento da formação da câmara foi o desemprego forçado de todos os artistas criativos judeus, incluindo escritores, músicos e atores e diretores de teatro e cinema. Como os nazistas viam a arte moderna como imoral, Goebbels instruiu que toda essa arte “decadente” fosse confiscada e substituída por obras de conteúdo mais representativo e sentimental.

Então, em outubro, veio a aprovação da Lei de Imprensa do Reich, que ordenava a remoção de todos os editores judeus e não nazistas dos jornais e revistas alemães.

Joseph Goebbels: o poder da imagem em movimento

No início da Segunda Guerra Mundialem 1939, Goebbels foi incumbido de elevar o espírito do povo alemão e empregar a mídia, e especificamente o cinema, para convencer a população a apoiar o esforço de guerra.

Um projeto típico que ele instigou foi “Der ewige Jude”, também conhecido como “O Judeu Eterno” (1940), um filme de propaganda que ostensivamente mapeava a história dos judeus. No filme, no entanto, os judeus são retratados como parasitas que perturbam um mundo de outra forma organizado.

Goebbels também orquestrou a produção de “Jud Süss” (1940), um longa-metragem que retrata a vida de Josef Süss Oppenheimer (1698-1738), um judeu consultor financeiro que coletou impostos para o duque Karl Alexander de Württemberg (1684-1737), governante do Ducado de Württemberg, no início do século XVIII.

Após a morte repentina do duque, Oppenheimer foi levado a julgamento e executado.

Joseph Goebbels: o começo do fim

Em 1942, Goebbels organizou “O Paraíso Soviético”, um grande show de propaganda nazista que foi exibido em Berlim. Seu objetivo era fortalecer a determinação do povo alemão, expondo a traição dos bolcheviques judeus.

Em 18 de maio, Herbert Baum (1912-42), um líder da Resistência Judaica-Alemã radicado em Berlim, e seus cúmplices demoliram parcialmente a exposição incendiando-a.

Goebbels se recusou a permitir que esse ato fosse divulgado na mídia alemã. Mesmo assim, Baum e seu pequeno mas determinado grupo conseguiram desferir um golpe psicológico considerável em Goebbels e sua máquina de propaganda.

Joseph Goebbels: anos finais
À medida que a guerra avançava e as baixas alemãs aumentavam, Goebbels tornou-se um defensor de uma batalha total até a morte contra as forças aliadas.

Nesse sentido, ele empregou suas próprias habilidades como orador público para incitar ainda mais a população alemã. Em uma ocasião, em agosto de 1944, falando no Palácio dos Esportes de Berlim, ele ordenou ao povo alemão que apoiasse um esforço de guerra total.

Se a Alemanha estava destinada a perder a guerra, ele raciocinou, era apropriado que a nação e o povo alemães fossem obliterados.

Quando 1944 se transformou em 1945, a derrota alemã parecia inevitável para o regime nazista. Enquanto outros chefes nazistas entraram em contato com os Aliados na esperança de negociar um tratamento tolerante após a rendição alemã, Goebbels permaneceu firmemente dedicado a Hitler.

Durante os últimos dias de abril de 1945, quando as tropas soviéticas estavam no limiar de Berlim, Hitler ficou escondido em seu bunker. Goebbels era o único oficial nazista sênior a seu lado.

Em 30 de abril, Hitler cometeu suicídio aos 56 anos e Goebbels o substituiu como chanceler da Alemanha. No entanto, o reinado de Goebbels durou pouco.

No dia seguinte, ele e sua esposa, Magda (1901-45), envenenaram fatalmente seus seis filhos. O casal então tirou a própria vida, embora os relatos de como exatamente eles morreram variem.

Deixe seu comentário!