Quão seguros são os cigarros eletrônicos?

Os cigarros eletrônicos causam menos danos do que fumar e me ajudarão a parar?

Essas são as perguntas-chave que as pessoas que fumam, mas que desejam parar, levantam com seus profissionais de saúde.

Eles também são temas importantes no debate em andamento sobre os possíveis benefícios e malefícios dos cigarros eletrônicos e sua regulamentação.

Os autores da nova revisão, que trabalham na Enfermaria Real de Aberdeen, no Reino Unido, afirmam que seu objetivo é informar essa discussão.

O Jornal do Royal College of Physicians de Edinburgh agora publicou um artigo sobre suas descobertas.

“Menos pessoas estão fumando cigarros convencionais de tabaco e mais pessoas estão fumando”, diz o correspondente autor do estudo, Abhi Mathur, do Departamento de Medicina Respiratória.

Os cigarros eletrônicos são dispositivos movidos a bateria que as pessoas usam para inalar ou fumar substâncias – um dos quais é a nicotina. Existem vários tipos em centenas de marcas, e o mercado está crescendo.

Assim como os cigarros convencionais, eles também fornecem nicotina nos pulmões pela inalação da fumaça do tabaco. No entanto, eles também fornecem toxinas como alcatrão e monóxido de carbono nas profundezas dos pulmões.

O vaping introduz algumas das substâncias nocivas que acompanham a fumaça do cigarro no corpo, mas pesquisas sugerem que os níveis presentes nos cigarros eletrônicos são muito mais baixos.

Fumar em declínio, vaping em alta

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmam que o número de pessoas no mundo que fumam tabaco está caindo.

No entanto, embora a tendência possa estar em declínio, um grande número de pessoas continua a fumar, e o impacto na saúde pública ainda é enorme.

Em 2015, mais de 1,1 bilhão de pessoas fumavam produtos de tabaco, e o hábito “continua sendo a principal causa evitável de doença e morte prematura”, observam os autores da revisão.

Nesse cenário, a tendência no uso de cigarros eletrônicos, ou vaping, está aumentando, com milhões de pessoas usando uma variedade de produtos.

Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que 6,9 milhões de adultos, ou 2,8% de todos os adultos , usavam cigarros eletrônicos em 2017. Esse foi o mesmo ano em que o uso de cigarros convencionais caiu em seu patamar. nível mais baixo.

Vaping ‘bombeia’ substâncias causadoras de câncer para os pulmões

As pessoas que usam o cigarro eletrênico podem absorver grandes quantidades de agentes cancerígenos dos líquidos eletrônicos e vapores nos pulmões.

No Reino Unido, cerca de 6% da população, ou 2,9 milhões de adultos, usavam e-cigarros em 2017. A grande maioria das pessoas que usam e-cigarros no Reino Unido fuma ou costumava fumar, com a última ultrapassando a anterior.

A taxa de uso de cigarros eletrônicos entre as pessoas que atualmente fumam no Reino Unido parou de subir em 2017, enquanto a taxa de uso de cigarros eletrônicos continuou a subir.

Naquele ano, 52% dos papéis costumavam fumar, em comparação com 45% que usavam cigarros eletrônicos e convencionais.

Apenas 3% dos usuários de cigarro eletrônico nunca fumaram, observam os autores. Uma análise independente realizada por um organismo de saúde pública inglês concluiu que, embora as pessoas que nunca fumaram pareçam estar usando cigarros eletrônicos, é improvável que os cigarros eletrônicos estejam “minando o declínio a longo prazo do tabagismo” entre os jovens no Reino Unido.

Vaping e tabagismo

As pessoas que fumam e que mudam para o cigarro eletrônico podem reduzir o risco de câncer porque estão reduzindo sua exposição a mais de 70 agentes cancerígenos conhecidos na fumaça do tabaco, observam os autores.

Eles também citam pesquisas que apontam a “potência do câncer” de vaping em menos de 0,5% da do tabagismo.

O tabagismo convencional também aumenta o risco de desenvolver problemas cardíacos e de morte a eles associados. De fato, mais pessoas que fumam morrem de doenças cardiovasculares do que de câncer.

Fumar apenas um cigarro convencional por dia pode aumentar o risco de doença cardíaca para metade do risco de fumar 20 por dia.

O principal contribuinte para esse risco é a presença de partículas ultrafinas que podem entrar na corrente sanguínea pela fumaça inalada do cigarro. Estes podem desencadear inflamações que prejudicam o coração e o sistema de circulação.

Pesquisas sugerem que o vaping também pode introduzir partículas ultrafinas na corrente sanguínea, e os autores citam evidências de vários estudos sobre seus efeitos.

Esses resultados podem explicar por que uma pesquisa recente de quase 70.000 pessoas nos EUA ligou o vaping a doenças cardíacas. Esse estudo sugere que as pessoas que fumavam todos os dias tinham um risco maior de ataque cardíaco do que aquelas que fumavam ocasionalmente ou aquelas que costumavam fumar.

Esse risco persistiu quando os pesquisadores descartaram os possíveis efeitos de também fumar cigarros convencionais.

Outro estudo de culturas celulares também revelou que o vapor do cigarro eletrônico pode tornar um tipo de célula imune no pulmão mais propenso a promover inflamação e potencialmente bloquear a liberação de bactérias.

Vaping e cessação do tabagismo

Os autores observam que, embora seja altamente viciante, em doses típicas de inalação, a nicotina não causa danos clínicos.

As substâncias que acompanham a nicotina no organismo são o que torna o fumo prejudicial à saúde, dando origem ao ditado de que as pessoas “fumam pela nicotina, mas morrem por causa do alcatrão”.

Os autores afirmam que os fabricantes originalmente projetaram e-cigarros como uma maneira de ajudar as pessoas a parar de fumar cigarros convencionais, e os dispositivos até fizeram parte das diretrizes nacionais sobre a cessação do tabagismo.

Eles observam que “[é] plausível que o uso de cigarros eletrônicos tenha contribuído” para o fato de que as taxas de abandono atingiram seus níveis mais altos em 2017. Eles resumem vários estudos que apóiam isso.

Por exemplo, um estudo que acompanhou o consumo de cigarros eletrônicos constatou que ele estava fortemente ligado ao sucesso da taxa de abandono. Outro revelou que parar de fumar foi o motivo mais comum que as pessoas deram para usar cigarros eletrônicos.

Um terceiro estudo disse que havia evidências para sugerir que as taxas de desistência eram mais altas quando as pessoas adotavam vaping. Além disso, um quarto estudo constatou que o vaping era mais eficaz em ajudar as pessoas a ficarem sem cigarros por 1 ano ou mais do que outras ajudas para desistir ou desistir sem ajuda.

Parece que alguns especialistas em saúde pública acreditam que o aumento do vaping é uma coisa boa, desde que seja devido a pessoas que fumam trocando um hábito prejudicial por um menos prejudicial. Eles podem alegar, observam os autores, que existe potencial para “redução de danos” significativa.

Preocupações emergentes e evidências limitadas

Outros pesquisadores, no entanto, não concordam com essa visão e apontam para preocupações como pessoas que nunca fumaram consumindo vaping e pessoas que continuam fumando e usando cigarros eletrônicos.

Eles sugerem que os cigarros eletrônicos podem ser um veículo para “renormalizar o fumo em uma sociedade que idealmente deveria ser livre de fumo”. Além disso, o uso de cigarros eletrônicos também pode minar a “completa abstinência”.

Dada a quantidade limitada de evidências sobre os benefícios e malefícios dos cigarros eletrônicos, é muito difícil dizer qual é a opinião mais válida.

Uma revisão dos estudos de cessação do tabagismo, que incluiu cigarros eletrônicos, concluiu que a nicotina vaping pode ajudar as pessoas a parar de fumar cigarros convencionais por até 1 ano. Dois outros chegaram a conclusões semelhantes.

No entanto, os autores apontam que, em termos de evidências concretas, todas as três revisões se basearam nos resultados de apenas dois ensaios clínicos randomizados.

As evidências de estudos observacionais – ou seja, aquelas que seguiram pessoas que fumam ao longo do tempo – são confusas. Seus resultados diferiram dos de ensaios controlados, que os pesquisadores atribuem a tamanhos de amostra pequenos, variedade de dispositivos usados ​​e outros fatores.

A maioria dos estudos de observação examinou as taxas de abandono entre pessoas que fumam e que fumavam e não fumavam. Alguns não mostraram benefícios com os cigarros eletrônicos, enquanto outros concluíram que o uso de cigarros eletrônicos reduziu as taxas de abandono. Uma análise de acompanhamento chegou à mesma conclusão: pessoas que fumam e fumam “são menos propensas a parar”.

No entanto, diferenças nos padrões de vaping podem ser responsáveis ​​por esse resultado. Por exemplo, pode haver diferenças nas taxas de abandono entre os que fazem vapes diariamente, em comparação com aqueles que só fazem vapores ocasionalmente.

Outro tópico preocupante é o número crescente de jovens que nunca fumaram e que seguem vaping. No Reino Unido, o uso de cigarros eletrônicos neste grupo aumentou 18 a 29% durante 2014-2016.

Há evidências crescentes, como nos EUA, de que o vaping entre pessoas de 14 a 30 anos está associado a uma maior probabilidade de começar a fumar.

O debate continua

No entanto, enquanto milhões de pessoas continuarem a fumar cigarros convencionais, parece que o principal foco de saúde pública nos cigarros eletrônicos provavelmente permanecerá em seu uso como uma ajuda para ajudar as pessoas a deixar de fumar tabaco.

Declarações como a recentemente divulgada pelo NHS Health Scotland e assinada pelo Royal College of Physicians of Edinburgh, refletem essa visão.

Comparado com o tempo em que o fumo do tabaco existe e com a enorme quantidade de evidências sobre seus danos, a pesquisa sobre cigarros eletrônicos está em sua infância.

Pode levar muitos anos até que haja evidências suficientes para fazer um julgamento absoluto sobre os benefícios e malefícios do vaping.

Deixe seu comentário!