Por que Agatha Christie desapareceu em 1926?

Um dos mistérios mais duradouros da romancista legendária Agatha Christie pode ter finalmente sido resolvido.

Famosa por criar detetives ficcionais Hercule Poirot e Miss Marple, os romances de mistério de Agatha Christie são ofuscados por um mistério particularmente duradouro sobre sua própria vida.

Em 3 de dezembro de 1926, Christie, que tinha 36 anos na época, deixou sua casa em Sunningdale e dirigiu em direção a Surrey. Seu carro foi encontrado abandonado na manhã seguinte com sua carteira de motorista dentro.

Seu desaparecimento logo se tornou manchete e um esforço em todo o país foi organizado envolvendo mais de 1.000 policiais e 15.000 voluntários que percorreram o país para seu paradeiro.

Ela foi encontrada viva e bem depois de 11 dias em um hotel em Harrogate. Ela mais tarde insistiu que ela tinha sofrido de um ataque de amnésia e não conseguia lembrar o que tinha acontecido com ela.

Agora, porém, mais de 90 anos depois, o biógrafo Andrew Wilson acredita que ele pode ter finalmente desvendado o mistério do que Christie tinha feito durante esses dias ausentes.

Em seu novo livro A Talent for Murder, ele esboça sua crença de que Christie tinha realmente partido com a intenção de tirar a própria vida.

Depois de superado por sua crença cristã de que o suicídio era um pecado, no entanto, ela sentiu tanta vergonha que ela decidiu culpar seu desaparecimento com a perda de memória.

“Depois da morte de sua mãe, ela sofreu uma depressão que foi aprofundada pelo aparecimento de uma série de outros problemas privados – problemas que agora sabemos envolver seu marido”, escreveu Wilson.

“Ela sofria de insônia, comia pouco e se sentia confusa, solitária e desesperadamente infeliz”.

Deixe seu comentário!