Óxido de titânio detectado no planeta extrasolar

Pela primeira vez, os astrônomos pegaram sinais de óxido de titânio em um mundo extrasolar distante.

O planeta em questão, WASP-19b, é tão próximo da sua estrela-mãe que leva apenas 19 horas para completar uma única órbita e sua atmosfera é pensada para ter temperaturas superiores a 2.000 graus.

Para saber mais sobre sua composição atmosférica, uma equipe de astrônomos liderada por Elyar Sedaghati analisou a luz do planeta à medida que passou na frente de sua estrela-mãe.

Eles descobriram que continha, entre outras coisas, o óxido de titânio – algo que raramente é visto na Terra e que é mais comum nas atmosferas de estrelas legais.

“Detectar tais moléculas não é uma façanha simples”, disse Sedaghati. “Não só precisamos de dados de qualidade excepcional, mas também precisamos realizar uma análise sofisticada”.

“Utilizamos um algoritmo que explora muitos milhões de espectros abrangendo uma ampla gama de composições químicas, temperaturas e propriedades da nuvem ou da névoa para tirar nossas conclusões”.

A descoberta ajudará os cientistas a construir modelos mais precisos de atmosferas exoplanetas.

“A presença de óxido de titânio na atmosfera do WASP-19b pode ter efeitos substanciais sobre a estrutura e a circulação da temperatura atmosférica”, disse o astrônomo Ryan MacDonald.

“Ser capaz de examinar exoplanetas neste nível de detalhes é promissor e muito emocionante”.

Deixe uma resposta