Obesidade pode prejudicar a eficácia de vacina contra a Covid-19

Para um mundo tomado pelo coronavírus, a salvação depende de uma vacina.

Mas nos Estados Unidos, onde pelo menos 4,6 milhões de pessoas foram infectadas e quase 155.000 morreram, a promessa dessa vacina é prejudicada por uma epidemia perturbadora que precedeu a Covid-19: a obesidade.


Os cientistas sabem que as vacinas projetadas para proteger o público da gripe, hepatite B, tétano e raiva podem ser menos eficazes em adultos obesos do que na população em geral, deixando-os mais vulneráveis ​​a infecções e doenças. Há poucos motivos para acreditar, dizem os pesquisadores da obesidade, que as vacinas Covid-19 serão diferentes.

“Teremos uma vacina Covid no próximo ano adaptada aos obesos? De jeito nenhum”, disse Raz Shaikh, professor associado de nutrição da Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill.

“Ainda funcionará em obesos? Nossa previsão é não.

Mais de 107 milhões de adultos americanos são obesos e sua capacidade de retornar com segurança ao trabalho, cuidar de suas famílias e retomar a vida diária pode ser reduzida se a vacina contra o coronavírus fornecer imunidade fraca para eles.

Em março, ainda no início da pandemia global, um estudo pouco notado da China descobriu que pacientes chineses mais pesados ​​afetados com Covid-19 tinham maior probabilidade de morrer do que os mais magros, sugerindo um futuro perigoso aguardado pelos EUA, cuja população está entre as mais pesadas no mundo.

E então esse futuro chegou.

Enquanto as unidades de terapia intensiva em Nova York, Nova Jersey e outros lugares estavam cheias de pacientes, os Centros federais de Controle e Prevenção de Doenças alertavam que pessoas obesas com índice de massa corporal de 40 ou mais – conhecido como obesidade mórbida ou cerca de 45 quilos acima do peso – estavam entre os grupos com maior risco de adoecer gravemente com Covid-19. Cerca de 9% dos adultos americanos estão nessa categoria.

Conforme as semanas passavam e uma imagem mais clara de quem estava sendo hospitalizado entrava em foco, as autoridades federais de saúde expandiram seu alerta para incluir pessoas com índice de massa corporal de 30 ou mais. Isso expandiu enormemente o número de pessoas consideradas vulneráveis ​​aos casos mais graves de infecção, para 42,4% dos adultos americanos.

A obesidade interfere na resposta imune

A obesidade é conhecida por ser um fator de risco significativo para morte por doenças cardiovasculares e câncer. Mas os cientistas no campo emergente do imunometabolismo estão descobrindo que a obesidade também interfere na resposta imunológica do corpo, colocando pessoas obesas em maior risco de infecção por patógenos como a gripe e o novo coronavírus.

Um sistema imunológico saudável ativa e desativa a inflamação conforme necessário, ativando os glóbulos brancos e enviando proteínas para combater infecções. As vacinas aproveitam essa resposta inflamatória.

Mas os exames de sangue mostram que pessoas obesas e pessoas com fatores de risco metabólicos relacionados, como pressão alta e níveis elevados de açúcar no sangue, experimentam um estado de inflamação leve crônica; a inflamação aumenta e permanece.

O tecido adiposo – ou gordura – da barriga, do fígado e de outros órgãos não é inerte; ele contém células especializadas que enviam moléculas, como o hormônio leptina, que os cientistas suspeitam que induz esse estado crônico de inflamação. Embora os mecanismos biológicos exatos ainda estejam sendo investigados, a inflamação crônica parece interferir na resposta imune às vacinas, possivelmente submetendo pessoas obesas a doenças evitáveis ​​mesmo após a vacinação.

Uma vacina eficaz alimenta uma queima controlada dentro do corpo, gravando na memória celular uma invasão simulada que nunca aconteceu de verdade.

A evidência de que pessoas obesas têm uma resposta embotada às vacinas comuns foi observada pela primeira vez em 1985, quando funcionários obesos do hospital que receberam a vacina contra hepatite B mostraram um declínio significativo na proteção 11 meses depois, que não foi observado em funcionários não obesos. A descoberta foi replicada em um estudo de acompanhamento que usou agulhas mais longas para garantir que a vacina fosse injetada no músculo e não na gordura.

Os pesquisadores encontraram problemas semelhantes com a vacina contra a hepatite A, e outros estudos descobriram quedas significativas na proteção de anticorpos induzida pelas vacinas contra o tétano e contra a raiva em pessoas obesas.

“A obesidade é um problema global sério, e as respostas imunológicas subótimas induzidas pela vacina observadas na população obesa não podem ser ignoradas”, argumentaram os pesquisadores do Grupo de Pesquisa de Vacinas da Mayo Clinic em um estudo de 2015 publicado na revista Vaccine.

As vacinas também são conhecidas por serem menos eficazes em adultos mais velhos, razão pela qual aqueles com 65 anos ou mais recebem uma vacina contra a gripe supercarregada anual que contém muito mais antígenos do vírus da gripe para ajudar a aumentar sua resposta imunológica.

Em contraste, a proteção diminuída da população obesa – adultos e crianças – foi amplamente ignorada.

“Não estou totalmente certa de por que a eficácia da vacina nesta população não foi mais bem relatada”, disse Catherine Andersen, professora assistente de biologia da Fairfield University que estuda obesidade e doenças metabólicas. “É uma oportunidade perdida para uma maior intervenção de saúde pública”.

Em 2017, cientistas da Universidade da Carolina do Norte – Chapel Hill forneceram uma pista crítica sobre as limitações da vacina contra a gripe. Em um artigo publicado no International Journal of Obesity , os pesquisadores mostraram pela primeira vez que adultos obesos vacinados tinham duas vezes mais chances de desenvolver influenza ou doenças semelhantes à gripe em comparação com adultos com peso saudável.

Curiosamente, o estudo descobriu que adultos com obesidade produziram um nível protetor de anticorpos para a vacina contra a gripe, mas esses adultos ainda responderam mal.

“Esse era o mistério”, disse Chad Petit, um virologista da gripe da Universidade do Alabama.

Uma hipótese, disse Petit, é que a obesidade pode desencadear uma desregulação metabólica das células T, células brancas do sangue essenciais para a resposta imunológica. “Não é intransponível”, disse Petit, que está pesquisando o Covid-19 em pacientes obesos. “Podemos criar vacinas melhores que possam superar essa discrepância.”

Historicamente, as pessoas com IMC alto costumam ser excluídas dos testes de drogas porque frequentemente têm condições crônicas relacionadas que podem mascarar os resultados. Os ensaios clínicos em andamento para testar a segurança e eficácia de uma vacina contra o coronavírus não têm uma exclusão de IMC e incluirão pessoas com obesidade, disse o Dr. Larry Corey, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, que está supervisionando os ensaios de fase III patrocinados pela os Institutos Nacionais de Saúde.

Embora os coordenadores do estudo não estejam especificamente focados na obesidade como uma complicação potencial, Corey disse, o IMC dos participantes será documentado e os resultados avaliados.

O Dr. Timothy Garvey, endocrinologista e diretor de pesquisas sobre diabetes da Universidade do Alabama, estava entre aqueles que enfatizaram que, apesar das perguntas persistentes, ainda é mais seguro para pessoas obesas se vacinarem do que não.

“A vacina contra a gripe ainda funciona em pacientes com obesidade, mas não tão bem”, disse Garvey. “Ainda queremos que eles sejam vacinados.”

Deixe seu comentário!