Medo de cobras têm origem evolutiva

Um novo estudo na Alemanha sugeriu que nascemos com um medo inato de cobras e aranhas.

Apesar de muitos de nós, especialmente aqueles que vivem em climas mais frios, nunca terem encontrado uma serpente venenosa ou uma aranha gigante na natureza, uma porcentagem significativa da população ainda possui algum nível de medo inato por elas.

Durante um estudo recente, cientistas do Instituto Max Planck para Ciências Cognitivas e Cênicas Humanas (MPI CBS) em Leipzig determinaram que mesmo crianças, apesar de nunca terem encontrado essas criaturas e, apesar de não ter idade suficiente para compreender o fato de serem perigosas, ainda assim exibiu algum nível de resposta ao estresse quando exposto a imagens de aranhas ou cobras.

“Quando mostramos fotos de uma cobra ou uma aranha para os bebês, em vez de uma flor ou um peixe do mesmo tamanho e cor, elas reagiram com pupilas significativamente maiores”, disse a cientista Stefanie Hoehl.

“Em condições de luz constante, esta alteração no tamanho das pupilas é um sinal importante para a ativação do sistema noradrenérgico no cérebro, responsável pelas reações de estresse. Assim, mesmo os bebês mais jovens parecem estressados ​​por esses grupos de animais”.

“Concluímos que o medo de cobras e aranhas é de origem evolutiva”.

“Semelhante aos primatas, os mecanismos nos nossos cérebros nos permitem identificar objetos como ‘aranha’ ou ‘cobra’ e reagir a eles muito rapidamente”.

Deixe seu comentário!