Europa, e não a África, foi o berço da humanidade

Uma notável descoberta paleontológica na Europa poderia reescrever a história da evolução humana.

Durante anos, era geralmente entendido que os humanos haviam se separado dos macacos há cerca de sete milhões de anos na África, onde permaneceram por mais cinco milhões de anos antes de se aventurarem mais longe.

Agora, em uma inovadora descoberta na Bulgária e na Grécia, os cientistas descobriram dentes fósseis que datam de 7,2 milhões de anos, um achado que sugere que a humanidade não se separou dos macacos em África, mas de fato já começou a evoluir na Europa 200.000 anos antes.

A espécie, Graecopithecus freybergi, tem o potencial de reescrever os primórdios da história humana e coloca o último ancestral comum conhecido dos chimpanzés e humanos na região do Mediterrâneo.

“Este estudo muda as ideias relacionadas ao conhecimento sobre o tempo e o lugar dos primeiros passos da humanidade”, disse o professor Nikolai Spassov.

“Graecopithecus não é um macaco. Ele é membro da tribo de hominídeos e ancestral direto do homo”.

“Até certo ponto, esse é um elo perdido recentemente descoberto. Mas os laços perdidos sempre existirão, porque a evolução é uma cadeia infinita de formas subseqüentes”.

Os cientistas acreditam que durante este tempo, o mar Mediterrâneo experimentou períodos frequentes de secagem, o que significava que os primeiros hominídeos poderiam ter facilmente cruzado a África e a Europa.

“Nossas descobertas podem eventualmente mudar nossas ideias sobre a origem da humanidade”, disse o professor Madelaine Bohme, da Universidade de Tubingen.

“Eu, pessoalmente, não acho que os descendentes de Graecopithecus morreram, eles podem ter se espalhado para a África mais tarde. A divisão de chimpanzés e seres humanos foi um evento único”.

“Nossos dados apoiam a ideia de que essa divisão estava acontecendo no Mediterrâneo oriental – não em África”.

“Se aceita, essa teoria realmente alterará o início da história humana”.

Deixe uma resposta