Egípcios antigos realmente usavam cones de cabeça

Arqueólogos descobriram dois esqueletos usando os cones da cabeça frequentemente retratados na arte egípcia antiga.

Apresentados em murais, caixões, estelas e outras obras de arte egípcia que datam de 3.570 a 2.000 anos atrás, esses curiosos cones de cabeça há muito permanecem um enigma.


Agora, porém, a descoberta de esqueletos usando esses itens incomuns de chapelaria finalmente confirmou que eles eram de fato chapéus de verdade usados ​​pelas pessoas da época.

Datado de 3.300 anos, os restos foram desenterrados na cidade de Akhetaten (ou Amarna).

“A escavação de dois cones nos cemitérios de Amarna confirma que os cones tridimensionais à base de cera eram às vezes usados ​​pelos mortos no antigo Egito, e que o acesso a esses objetos não era restrito à elite alta”, escreveram os pesquisadores.

“A descoberta de Amarna apóia a idéia de que os cones da cabeça também eram usados ​​pelos vivos, embora ainda seja difícil determinar com que freqüência e por quê”.

Assemelhando-se a um tipo de chapéu de festa pequeno, os cones da cabeça costumam ser vistos em representações de pessoas que caçam e pescam na vida após a morte e acredita-se que estejam ligados ao parto e fertilidade.

Embora não exista nada que se destaque imediatamente nos dois enterros que possam ajudar a explicar seu significado e propósito, espera-se que uma análise mais aprofundada ajude a revelar mais.

Deixe seu comentário!