Desmond Doss, o herói da guerra que se recusava a matar

Em 1 de abril de 1942, Desmond Doss se juntou ao Exército dos Estados Unidos. Ele não sabia que, três anos e meio depois, ele estaria de pé no gramado da Casa Branca, recebendo o prêmio mais alto da nação por sua bravura e coragem sob fogo.

Dos 16 milhões de homens com uniforme durante a Segunda Guerra Mundial, apenas 431 receberam a Medalha de Honra do Congresso. Um deles foi colocado ao redor do pescoço de um jovem adventista do sétimo dia, que durante o combate não havia matado um único soldado inimigo.

Na verdade, ele se recusou a carregar uma arma. Suas únicas armas eram sua bíblia e sua fé em Deus.

O presidente Harry S. Truman sacudiu calorosamente a mão do cabo Desmond Thomas Doss, e então declarou em voz alta para aqueles reunidos fora da Casa Branca em 12 de outubro de 1945:

“Estou orgulhoso de você” Truman disse. “Você realmente merece isso. Considero isso uma honra maior do que ser presidente”.

A jornada que trouxe o jovem Desmond até este dia foi desafiadora. Quando Pearl Harbor foi atacado, ele estava trabalhando no estaleiro Newport News Naval e poderia ter solicitado um adiamento – mas ele queria fazer mais por seu país. Ele estava disposto a arriscar sua vida na linha de frente para preservar a liberdade.

Quando se juntou ao Exército, Desmond assumiu que sua classificação como objetor de consciência não exigiria que ele carregasse uma arma. Ele queria ser médico do combate do Exército.

Entretanto, ele foi designado para uma companhia de rifle de infantaria. Sua recusa em levar uma arma causou muitos problemas entre seus colegas soldados. Eles o viram como um peso e o chamaram de desajustado.

Um homem no quartel o advertiu: “Doss, assim que entramos no combate, vou ter certeza de que você não vai voltar vivo”.

Seus oficiais comandantes também queriam se livrar do magro soldado com sotaque do sul. Eles o viram como uma responsabilidade. Ninguém acreditava que um soldado sem arma valesse a pena.

Eles tentaram intimidá-lo, repreendê-lo, atribuir-lhe tarefas mais difíceis e até declararam mentalmente incapaz para o exército. Por recusar uma ordem direta – de levar uma arma – foi levado a uma corte marcial.

Mas eles não conseguiram encontrar uma maneira de desligá-lo, e ele se recusou a sair. Ele acreditava que seu dever era obedecer a Deus e servir seu país. Mas precisava estar nessa ordem. Suas convicções inabaláveis ​​foram muito importantes.

Desmond foi criado com uma fervorosa crença na Bíblia. Quando se tratava dos Dez Mandamentos, ele os aplicou pessoalmente. Durante a infância, seu pai comprou uma grande imagem emoldurada em leilão. Ele retratou os Dez Mandamentos com ilustrações coloridas. Ao lado das palavras, “Você não matará”, havia um desenho de Cain ao lado do corpo de seu irmão morto, Abel.

Pequeno Desmond olhava aquela foto e perguntava: “Por que Cain matou Abel? Como no mundo um irmão poderia fazer tal coisa?” Na mente de Desmond, Deus disse: “Se você me ama, você não vai matar”. Com essa imagem firmemente incorporada em sua mente, ele determinou que ele nunca iria tirar uma vida.

No entanto, houve outro mandamento que Desmond tomou tão a sério quanto o sexto. Era o quarto mandamento. Sua educação religiosa incluía a frequência semanal na igreja, no sétimo dia.

O exército, então, ficou furioso ao descobrir que ele tinha mais um requisito pessoal. Ele pediu para que pudesse frequentar a igreja todos os sábados. Isso significou duas reclamações contra ele.

Seus companheiros soldados viram Doss como alguém totalmente desalinhado com o resto do exército. Então eles o desprezaram, o intimidaram, o chamaram de nomes terríveis e o amaldiçoaram. Seus comandantes também fizeram sua vida difícil.

As coisas começaram a mudar quando os homens descobriram que este médico silencioso e despretensioso tinha uma maneira de curar as bolhas em seus pés cansados ​​de tanto marchar. E se alguém desmaiava de calor, este médico estava ao seu lado, oferecendo sua própria cantina de água.

Desmond nunca sentiu rancor. Com bondade e gentil cortesia, Ele tratou aqueles que o haviam maltratado. Ele viveu a regra de ouro, “… faça aos outros o que você gostaria que eles fizessem com você …” (Mateus 7:12 NVI).

Doss no topo da Maeda Escarpa

Desmond serviu em combate nas ilhas de Guam, Leyte e Okinawa. Em cada operação militar, ele exibiu extraordinária dedicação a seus semelhantes. Enquanto outros levavam a vida, ele estava ocupado salvando a vida. Quando o “médico” tocou no campo de batalha, ele nunca considerou sua própria segurança.

Ele repetidamente entrava na batalha para tratar um colega caído e carregá-lo de volta à segurança. Tudo isso, enquanto as balas inimigas passavam e bombas explodiam ao seu redor. Várias vezes, ao tratar um soldado ferido, Desmond estava tão perto das linhas inimigas, que podia ouvir o sussurro de vozes japonesas.

Em maio de 1945, À medida que as tropas alemãs se renderam do outro lado do mundo, as tropas japonesas defendiam ferozmente, até o último homem, a única barreira restante (Okinawa e Maeda Escarpa) a uma invasão de sua terra natal.

Os homens da divisão de Desmond tentaram repetidamente capturar Maeda Escarpa, uma pedra imponente que os soldados chamavam de Hacksaw Ridge. Após as tropas asseguraram a segurança do topo do penhasco, os americanos ficaram atordoados com um contra-ataque dos japoneses. Os oficiais pediram um retiro imediato. Soldados correram para subir de um local íngreme. Todos os soldados, exceto um.

Menos de um terço dos homens voltaram. O resto ficou ferido, espalhado pelo solo inimigo, abandonado e deixados para morrer. Um soldado solitário desobedeceu as ordens e voltou ao tiroteio para resgatar o maior número possível de seus homens, antes que entrassem em colapso ou morressem.

Cena do filme “Até o Último Homem”

Sua determinação e coragem incondicional resultaram em pelo menos 75 vidas salvas naquele dia, 5 de maio de 1945, num sábado.

Eventualmente, os americanos tomaram Hacksaw Ridge. Okinawa foi capturada em um guerra sangrenta.

Vários dias depois, durante uma incursão noturna sem sucesso, Desmond ficou gravemente ferido. Ao tentar se esconder em uma vala com dois aliados, uma granada japonesa pousou em seus pés. A explosão o fez voar. O estilhaço rasgou sua perna e até o quadril.

Ele tratou suas próprias feridas o melhor que pôde. Ao tentar alcançar um local seguro, ele foi atingido por uma bala que quebrou o braço. Suas ações valentes como médico não pararam ali. Ele insistiu que outros fosse resgatados antes dele.

Ferido, com dor e perda de sangue, ele ainda colocou outros à frente de sua própria segurança. Ele escolheria morrer para que outro pudesse viver. Afinal, é o que ele leu em sua Bíblia. Tal foi o personagem demonstrado por Jesus Cristo.

Além de sua Medalha de Honra, Desmond Doss premiado com duas Estrelas de Bronze por bravura; medalha da campanha Ásia-Pacífico com três Estrelas de Bronze (significando que ele serviu em 4 campanhas de combate, incluindo um pouso anfíbio em condições de combate); medalha de boa conduta; campanha americana de defesa; e muitas outras.

Após ser demitido do exército em 1946, Desmond desenvolveu tuberculose. Ele passaria a maior parte dos próximos seis anos nos hospitais. À medida que a doença avançava, seu pulmão esquerdo tinha que ser removido cirurgicamente junto com cinco costelas.

Durante o resto de sua vida, ele sobreviveu com um único pulmão, até que também falhasse. Com a idade de 87 anos, o cabo Desmond Thomas Doss morreu em 23 de março de 2006, depois de ter sido hospitalizado com dificuldade em respirar.

Ele está enterrado no Cemitério Nacional, Chattanooga, Tennessee.

Deixe seu comentário!