Comunidade na Indonésia mantém os mortos em casa por anos

Para as pessoas que vivem na região de South Sulawesi, uma das 17.508 ilhas da Indonésia, a leste de Bornéu, a morte é um processo longo e sagrado – um onde a morte não chega até que o corpo saia de casa.

Em Toraja, os povos mantém os corpos dos falecidos em suas casas por diversos anos, acreditando “que o morto que ainda está em casa não está morto.”

National Geographic documentou a tradição sagrada da cultura em vídeo, revelando sua celebrações pródigas pelos mortos.

Quando um ente querido morrem, os membros da família tratam o corpo como se a pessoa ainda estivesse viva. Eles descrevem a morte como um sono prolongado.

Os familiares tomam o máximo cuidado do corpo, eles o limpam e escovam a sujeira, mudam suas roupas, rezam com ele, o alimentam e até deixam as luzes ligadas à noite.

“Não temos medo do cadáver, porque o nosso amor pelos nossos antepassados ​​é muito maior do que o nosso medo”, diz um parente de um dos falecidos.

Um especialista da cultura Torajan, explica que os cidadãos de classe baixa tendem manter os corpos por apenas algumas semanas, enquanto a classe média mantém por vários meses e a classe alta por alguns anos.

Além de querer manter seus entes queridos perto, eles também querem empurrar funerais para que muitos parentes possíveis possam participar.

Durante os funerais há música, um banquete de carne de porco, vegetais e arroz para centenas de familiares e amigos, e um caixão de madeira ornamentado chamado Duba Duba para transportar o corpo.

Deixe seu comentário!