Como o concreto romano durou 2.000 anos?

A notável longevidade dos cais do mar romano provou ser um mistério para os engenheiros modernos.

Tudo o que os romanos colocaram em seu concreto, certamente foi a prova do tempo – como evidenciado pela sobrevivência contínua de algumas estruturas de 2.000 anos de idade, em contraste com muitos esforços modernos que se desintegraram em mera décadas pelo contínuo golpe da ondas do oceano.

Há até mesmo relatos históricos da força do concreto romano, como o de Plínio o Velho, que em 79AD, descreveu como as estruturas concretas da época “se tornaram uma única massa de pedra, inexpugnável para as ondas a cada dia mais fortes”.

Agora, de acordo com um novo estudo de cientistas nos EUA, a resposta a este mistério reside na forma como a água do mar mistura com as cinzas e limas vulcânicas dentro do concreto para formar minerais interligados.

Estes fornecem então uma coesão praticamente inexpugnável para a estrutura que pode durar milênios.

“Estamos a olhando para um sistema que é contrário a tudo o que se deseja em concreto de cimento”, afirmou o líder do estudo, Prof Marie Jackson, da Universidade de Utah.

“Estamos olhando para um sistema que prospera em troca química aberta com água do mar”.

As descobertas possam um dia ajudar os engenheiros modernos a desenvolver novos e mais duráveis ​​tipos de concreto que também aproveitem esse mesmo mecanismo de fortalecimento.

Um substituto para a cinza vulcânica utilizada pelos romanos, no entanto, pode ser um desafio.

Deixe uma resposta