Cientistas revelam os primeiros robôs vivos do mundo

Os pesquisadores conseguiram criar robôs feitos de células animais vivas, em vez de metal e plástico.

Essa conquista notável é uma cortesia de roboticistas nos Estados Unidos, que usaram a pele e as células cardíacas de sapos africanos para produzir robôs capazes de se movimentar sozinhos.


“Essas são formas de vida inteiramente novas”, disse Michael Levin, do Allen Discovery Center da Universidade Tufts em Medford, Massachusetts. “Eles são organismos vivos e programáveis”.

Medindo menos de 1 mm de comprimento, esses minúsculos robôs são baseados em projetos produzidos por um supercomputador que produziu e testou centenas de configurações 3D possíveis.

“O objetivo é entender o software da vida”, disse Levin.

“Se você pensar em defeitos congênitos, câncer, doenças relacionadas à idade, todas essas coisas poderiam ser resolvidas se soubéssemos como fazer estruturas biológicas, para ter controle final sobre o crescimento e a forma”.

Embora os benefícios científicos e médicos em potencial da pesquisa sejam claros, alguns cientistas levantaram questões sobre a ética de trabalhar com o que são essencialmente novas formas de vida.

“Em que ponto eles se tornariam seres com interesses que deveriam ser protegidos?” disse Thomas Douglas, do Centro de Ética Prática de Oxford Uehiro.

“Acho que eles adquiririam significado moral apenas se incluíssem tecido neural que possibilitasse algum tipo de vida mental, como a capacidade de sentir dor”.

Deixe seu comentário!