Buraco na camada de ozônio está se curando, mostra estudo

Houve uma redução distinta no nível de produtos químicos destruidores de ozônio na atmosfera terrestre.

Situado no alto da estratosfera do planeta, a camada de ozônio é uma região especial que ajuda a proteger a Terra da radiação ultravioleta prejudicial proveniente do Sol.

Os cientistas notaram primeiramente que parecia estar ficando acima da Antártica na década de 1980, uma tendência preocupante que estava ligada à presença de CFCs (clorofluorocarbonos) em sprays de cabelo, refrigeradores, sistemas de ar condicionado e outros produtos similares.

A descoberta de que esses produtos químicos foram responsáveis ​​pelo esgotamento da camada de ozônio levou a uma redução significativa na fabricação e uso de CFCs na esperança de que isto abrandasse ou até mesmo reverte o dano causado.

Agora parece que esses esforços realmente foram pagos.

Em um novo estudo, cientistas da NASA que medem o nível de cloro (o principal subproduto do CFC na depleção de ozônio) na atmosfera acima da Antártica revelaram que houve redução de 20% no nível de depleção da camada de ozônio devido ao cloro entre 2005 e 2016 .

Os dados foram gravados pelo instrumento Microwave Limb Sounder (MLS) a bordo do satélite Aura.

Pesquisas anteriores se concentraram em medir o próprio buraco de ozônio, tornando este o primeiro estudo a identificar uma redução na depleção de ozônio como resultado direto de uma redução nos produtos químicos de CFC.

Embora seja provável que demore várias décadas para o dano se reparar completamente, a notícia de que a camada de ozônio realmente está se curando é certamente encorajadora.

One comment

  1. Conversa fiada. Não é um buraco, é uma anomalia da dinâmica do planeta. Normal. CFC não destrói camada de ozônio. Primeiro que é um gás pesado (não sobre) segundo que ozônio é fabricado pela quebra do oxigênio em um processo normal da nossa atmosfera.
    Dúvidas leiam artigo do Prof Molion
    https://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://www.geoambiente.ufba.br/Arquivos%2520extras/Textos/contra-tese%2520do%2520CFC.doc&ved=2ahUKEwi8uuX_t8zYAhVETt8KHcO4CIYQFjAAegQICBAB&usg=AOvVaw2z_iazo3i7MykKBDO9FKXj

Deixe seu comentário!