Anomalias encontradas nos cérebros das vítimas de ‘ataque sônico’

Os cientistas identificaram “diferenças significativas” no cérebro dos diplomatas “atacados” em Cuba.O fenômeno, que visava o pessoal da embaixada em Havana e provocou o colapso das relações internacionais entre Cuba e os Estados Unidos, foi divulgado pela primeira vez em agosto de 2017.

Rumores por envolverem o uso de armas sônicas, os ataques foram direcionados diretamente aos quartos do hotel de diplomatas americanos, induzindo uma série de sintomas que incluíam perda auditiva, tontura, problemas de equilíbrio, queixas visuais, dor de cabeça, fadiga, problemas cognitivos e dificuldade para dormir.


Agora, após um estudo das pessoas afetadas, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia revelaram que o cérebro das vítimas apresentava “diferenças significativas” quando comparado a um grupo de controle.

Se os “ataques” causaram ou não essas diferenças diretamente, permanece incerto.

No momento, o governo ainda não explicou de maneira conclusiva o fenômeno.O chefe do Centro Cubano de Neurociências, Dr. Mitchell Joseph Valdes-Sosa, convocou a investigação nos EUA e admitiu ter preocupações com a metodologia utilizada.

“O aspecto mais preocupante é a tentativa de vincular essas descobertas a um ‘fenômeno direcional’ não especificado”, disse ele.

“A pesquisa nesta área foi ocultada em segredo e impulsionada pela paranóia da Guerra Fria”.

Enquanto isso, o Departamento de Estado dos EUA declarou que está ciente da nova pesquisa e que “congratula-se com a discussão da comunidade médica sobre esta questão incrivelmente complexa”.

“A principal prioridade do departamento continua sendo a segurança e o bem-estar de sua equipe”, afirmou.

Deixe seu comentário!