Vulcanismo descartado em debate sobre extinção de dinossauros

Um novo estudo sugeriu que foi um ataque de asteróide, não o vulcanismo, que acabou com os dinossauros.

Para determinar isso, o professor Paul Wilson, da Universidade de Southampton, e colegas analisaram amostras de sedimentos recuperados perfurando profundamente o fundo do mar no Atlântico Norte.


Suas descobertas indicaram que, embora tenha havido um período de vulcanismo destrutivo no final do Cretáceo, ele não foi responsável por causar a extinção dos dinossauros.

Com toda a probabilidade, já teria terminado muito antes do asteróide atingir.

“Os sedimentos oceânicos profundos estão cheios desses organismos marinhos microscópicos chamados Foraminifera”, disse Wilson.

“Você recebe cerca de mil deles em uma colher de chá de sedimentos. E podemos usar suas conchas para descobrir a química do oceano e sua temperatura, para que possamos estudar em detalhes as mudanças ambientais que estão ocorrendo na fase anterior. ao evento de extinção “.

“E o que descobrimos é que a única maneira de conseguir que nossas simulações de modelo (climático) correspondam às mudanças de temperatura observadas é fazer as emissões vulcânicas de gases nocivos e polvilhar algumas centenas de milhares de anos antes do evento de impacto. “

“Nós achamos que o evento de impacto é exatamente contemporâneo da extinção”.

O próprio ataque de asteróide teria sido absolutamente devastador.

Imediatamente após o impacto, ele teria produzido enormes maremotos e incêndios em massa, enquanto enchia a atmosfera do planeta com um coquetel mortal de fumaça, poeira e detritos.

Nos anos que se seguiram, a sobrevivência para os dinossauros restantes seria praticamente impossível.

Deixe seu comentário!