Ursos de água poderiam sobreviver ao apocalipse

Os cientistas identificaram uma espécie microscópica capaz de sobreviver a quase todos os eventos cataclísmicos.

Costuma-se dizer que, se um grande desastre apocalíptico ocorre na Terra, o único que restaria seria a barata.

Na realidade, no entanto, há uma outra criatura muito mais resiliente em nosso planeta que ainda estaria por muito tempo depois que as baratas desaparecessem.

O Tardigrada (ou urso de água) é uma das formas de vida mais difíceis existentes.

Esses invertebrados microscópicos existem há mais de 520 milhões de anos e viveram inúmeros eventos de extinção em massa, incluindo o que eliminou os dinossauros.

Em um estudo recente, uma equipe internacional de cientistas decidiu ver quão resistentes essas criaturas notáveis realmente são ao expô-las em condições semelhantes às que elas experimentariam durante três eventos cataclísmicos que poderiam acabar com toda a vida na Terra.

Contudo, como se verificou, os ursos de água são de fato tão resistentes que a própria Terra precisaria sucumbir a uma aniquilação quase total antes que as espécies pudessem ser verdadeiramente destruídas.

Um asteroide, por exemplo, precisaria ter uma massa de 1,7 quintilhão de quilos – isso é tão grande que apenas 19 rochas espaciais em todo o sistema solar são suficientemente grandes para fazer o trabalho.

As chances de um desses atingir a Terra são tão escassas que é mais provável que o Sol morra antes que isso aconteça.

No caso de um estouro mortal de raios gama – os Tardigrada podem sobreviver tanto à exposição à radiação que os oceanos literalmente ferverão devido à energia antes de morrerem.

É improvável que uma supernova faça o trabalho, quer porque a estrela mais próxima capaz de explodir está muito longe para fazer com que os oceanos se fermentem, o que significa que novamente não conseguiria destruí-los.

Em última análise, parece que a única coisa que provavelmente os destruirá é a morte do próprio Sol.

Deixe uma resposta