Toots Thielemans, o Rei da Gaita

Nascido Jean-Baptiste Thielemans, 29 de abril de 1922, em Bruxelas, Bélgica; mudou o primeiro nome para “Toots” quando adolescente; imigrou para os Estados Unidos, em 1951.

Toots Thielemans é o mestre indiscutível da gaita. “O instrumento é tão pequeno. Está tão perto de sua pessoa, tão perto do tom. Você sopra aqui e o tom sai a cinco centímetros de distância, então é realmente uma parte do seu corpo. É um amigo tão próximo.

É tão essencial, é como fazer parte de sua própria alma”, disse ele a Jan Holland em entrevista à revista Venice. Revelando ainda o quão profundamente dedicado ele é à sua música, ele explicou a Michael Bourne em Down Beat: “É o destino que eu me tornei um músico. Eu estudei matemática. Eu deveria me tornar um engenheiro ou professor. Se não fosse por jazz, eu ainda estaria na Bélgica.”

Toots nasceu Jean-Baptiste Thielemans em Bruxelas, Bélgica, em 29 de abril de 1922, e tocava acordeão aos três anos de idade. Ainda na adolescência, antes mesmo de saber o que era jazz, comprou sua primeira gaita. 

Antes da Segunda Guerra Mundial, Thielemans tinha visto filmes com o lendário tocador de gaita Larry Adler “tocando coisas clássicas leves”. Ele ouvia discos de swing americanos com seus amigos, que mais tarde o chamavam de “Toots” porque achavam que “Jean simplesmente não balançava”. 

Eles o encorajaram a tocar sua gaita com a banda deles, e quando viram o quão talentoso ele era sugeriram que ele tentasse um instrumento de verdade, como o violão.

Thielemans disse a Bourne que veio aprender a tocar violão por acaso. Ele estava doente e um amigo veio visitá-lo, trazendo um violão do mercado negro. 

“Estávamos ouvindo discos de Fats Waller como ‘Hold Tight’. Há a quintessência da escala de jazz e tudo o que você precisa no blues nessa música. Eu conhecia a música, mas nunca toquei em uma guitarra. Eu disse que se ele me desse cinco minutos, eu tocaria ‘Hold Tight ‘ em uma corda. Eu toquei, e ele me deu o violão.”

Um natural em seu campo, Thielemans nunca estudou música. Ele foi criado no estilo Swing Era do gênio da guitarra cigana Django Reinhardt. Tocando com outros jazzistas belgas como o saxofonista Bobby Jasper e o guitarrista Rene Thomas, ele aprendeu seu ofício “no trabalho”. 

Thielemans gravitou para o som bebop americano na década de 1940. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, ele trabalhou como acompanhante de headliners como Edith Piaf e Charles Trenet em Bruxelas. Na década de 1950, ele tocava por toda a Europa com Benny Goodman, Roy Eldridge e Zoot Sims.

Em 1951 Thielemans imigrou para os Estados Unidos. Ele havia tocado com Charlie Parker enquanto estava na Suécia, e por uma semana memorável em 1952 ele se juntou ao Bird’ All-Stars no Earle Theatre na Filadélfia. “Eu conheci Bird na Europa antes de vir para os Estados Unidos”, disse ele a Holland em Veneza. 

“Quando cheguei aqui, joguei um pouco com ele. Eu realmente não estava pronto para isso. Miles Davis estava com ele. Ele me provocava, se divertia comigo. Aqui estava eu, recém-chegado a este país, e estava compartilhando um camarim com Bird.”

Do final de 1952 até meados de 1959, Thielemans tocou com o pianista George Shearing. Foi o único emprego estável que ele já teve. Foi nessa época que ele se tornou amigo de Bill Evans e Quincy Jones, gravando algumas de suas músicas favoritas com eles.

No início dos anos 1960, Thielemans tornou-se cada vez mais popular nos estúdios como tocador de gaita e assobiador. Um grande fã de Slam Stewart, que cantarolava com o arco no baixo, Thielemans achou que poderia ser divertido fazer algo assim com sua guitarra. 

Então ele assobiou uma nota e a acompanhou uma oitava abaixo na guitarra. Em pouco tempo, ele estava assobiando para empresas como Firestone, Singer, Dogburgers e Old Spice, com seu memorável tema “fresco como uma brisa”

. Ao longo dos anos, sua gaita foi apresentada em muitas trilhas sonoras de filmes, incluindo Midnight Cowboy, The Getaway, Sugarland Express e Intersection; ele também tocou o solo de destaque no tema do programa infantil clássico da PBS-TV Vila Sésamo.

Em 1963, Thielemans alcançou uma audiência mundial com sua composição “Bluesette”. Ele disse a Bourne na Down Beat sobre como a música foi escrita:

“Eu estava tocando em um show com o [violinista] Stephane Grappelli em Bruxelas em 1962. Eu estava no mesmo camarim que Stephane e estava afinando meu violão e de alguma forma essa pequena música Eu estava cantarolando e Stephane disse: ‘Isso é legal. O que é isso?’ Eu só disse que ele me inspirou, mas ele disse ‘Ecrivez tout de suite! Escreva logo!’ Eu chamei de ‘Bluette’ para essa florzinha azul na Bélgica, mas quando eu toquei em um show na Suécia, o produtor disse ‘Isso não é um blues? Por que você não coloca o ‘s’ lá?’ Eu devo o ‘s’ a ele.” Outra composição popular – mas não tão frequentemente registrada – é “

O interesse de Thielemans pela música internacional expandiu-se na década seguinte. Ele foi apresentado à música brasileira pela primeira vez no início dos anos 1960 através de Stan Getz e teve a chance de participar de uma sessão de música brasileira em 1972.

Quando surgiu a oportunidade de fazer um álbum com a cantora Elis Regina – ela é muitas vezes apelidada Billie Holiday” – Thielemans estava pronto para mergulhar no empreendimento.

Trabalhar no álbum abriu caminho para sua entrada no cenário musical brasileiro; desde então, a música do país tem sido sua paixão. “É mais do que um flerte o que eu sinto pela música brasileira.

Essa ideia [para os álbuns do Projeto Brasil] veio de Miles Goodman e Oscar Castro Neves. Eles disseram que todos esses caras brasileiros me amam. Todos conhecem [o] álbum que fiz em 1972 com Elis Regina.” Assim, junto com os jogadores brasileiros, a sessão dos sonhos foi realizada com dois lançamentos consecutivos, volumes um e dois de The Brasil Project em 1992 e 1993, respectivamente.

Toots Thielemans foi destaque em gravações com artistas contemporâneos como Billy Joel, Paul Simon, Quincy Jones, Pat Metheny e Ella Fitzgerald. E embora ele seja um hábil guitarrista e um assobiador excepcional, seu jeito de tocar gaita é incomparável. 

Como ele disse a Jim Macnie da revista Musician, “Algumas pessoas vão concordar que um tocador de gaita pode ser um bom músico. Mas muitos também dirão que eles simplesmente não gostam do jeito que soa. no entanto, porque a música transcende o instrumento em que é tocada – seja uma gaita ou um cabo de vassoura.”

A carreira de Toots Thielemans

Começou a tocar acordeão aos três anos; comprou a primeira gaita quando era adolescente. 

Guitarrista autodidata, trabalhando como acompanhante de headliners como Edith Piaf e Charles Trenet em Bruxelas após a Segunda Guerra Mundial; tornou-se conhecido compositor e auto-acompanhante, assobiando e tocando guitarra em seu sucesso internacional “Bluesette”. 

Tocou com grandes nomes do jazz Charlie Parker, Benny Goodman, Miles Davis e George Shearing; gravou Projeto Brasil em dois volumes, 1992-93. Apareceu como solista em álbuns, comerciais e trilhas sonoras de filmes; tocou gaita solo para o tema Vila Sésamo da PBS-TV.

Prêmios de Toots Thielemans

Hohner (fabricante da gaita) criou uma gaita cromática especial com o nome de Thielemans.

Deixe seu comentário!