Sua lembrança mais antiga pode ser falsa, afirma o estudo

Os cientistas afirmam que nossas lembranças mais antigas não poderiam ter acontecido da maneira como nos lembramos delas.

O estudo, que envolveu a solicitação de 6.000 voluntários para descrever suas lembranças mais antigas, descobriu que até 40% deles conseguiram se lembrar de algo que havia acontecido com eles antes dos dois anos de idade.

15 por cento dos entrevistados ainda tinham lembranças de coisas que aconteceram antes disso.

Mas é tudo como parece? A maioria das pesquisas científicas realizadas nos últimos anos indicou que nossos cérebros simplesmente não têm a capacidade de processar e codificar grandes experiências de vida em memórias de longo prazo até que tenhamos cerca de três anos e meio de idade.

Se isso é verdade, como é que tantas pessoas conseguem lembrar-se de coisas anteriores a essa idade?

A resposta, argumentam os cientistas, é que eles não podem – as memórias são “falsas”, na medida em que são criações de nosso subconsciente projetadas para construir uma narrativa mais coerente de nossas vidas.

Tais memórias podem emprestar de outras fontes, como fotografias e coisas que nossos pais ou parentes disseram sobre nossa infância, para construir uma imagem mental de nossas primeiras experiências.

“Nós sugerimos que ao recordar memórias iniciais esta consiste em fragmentos de experiências anteriores e alguns fatos ou conhecimento sobre sua própria infância”, disse o primeiro autor do estudo. psicóloga Shazia Akhtar da Universidade de Bradford.

Deixe seu comentário!