Qual galáxia é visível aos olhos?

O sol que vemos todos os dias é apenas uma das milhares de estrelas que vemos à noite. Uma coleção tão grande de estrelas é chamada de galáxia.

E as estrelas que vemos pertencem a uma galáxia denominada Via Láctea. Existem milhões de galáxias no céu, a maioria das quais está escondida da nossa visão.

No entanto, existem algumas galáxias que podem ser vistas a olho nu. O mais famoso e o mais brilhante deles é o M31 ou a galáxia Andrômeda.

A galáxia espiral

A galáxia Andrômeda está a cerca de 2,5 milhões de anos-luz de distância, ou seja, a luz leva 2,5 milhões de anos para viajar de Andrômeda para a Terra.

Acredita-se que Andrômeda tenha cerca de 400 bilhões de estrelas. Isso faz com que seja quase duas vezes maior que a Via Láctea.

A galáxia Andrômeda tem a forma espiral, e, como outras galáxias espirais, é uma gigantesca roda de estrelas, gás e pó. E tem duas galáxias de satélite menores assim como a lua é um satélite da Terra.

Um astrônomo persa chamado Al-Sufi descreveu isso em seu livro de estrelas fixas em 964 DC como a “pequena nuvem”.

De fato! Se você conseguir vê-la em uma noite clara, parece uma pequena nuvem. Andrômeda foi redescoberta em 1612 após a invenção do telescópio pelo astrônomo alemão Simon Marius.

Durante séculos, se pensou que a galáxia Andrômeda fazia parte da Via Láctea.

Foi apenas na década de 1920 que Edwin Hubble, um famoso astrofísico, determinou de forma conclusiva que a Andrômeda era realmente uma galáxia.

Uma colisão celestial

Os cientistas dizem que todas as galáxias estão correndo umas das outras. Mas a Via Láctea está realmente correndo em direção à galáxia de Andrômeda.

E o enorme fosso entre a Via Láctea e a Andrômeda está se fechando em cerca de 500 mil quilômetros por hora. Esse ritmo se acelerará à medida que as duas galáxias se aproximam.

John Dubinski, professor de astronomia no Instituto Canadense de Astrofísica Teórica, aponta que as duas galáxias estão realmente em um curso de colisão.

Elas deverão colidir em aproximadamente três bilhões de anos.

Deixe seu comentário!