Propulsor de íons da NASA quebra os registros de propulsão

O prototipo de propulsor poderia um dia impulsionar os primeiros astronautas de Marte até o Planeta Vermelho.

Projetado através de uma colaboração entre a Universidade de Michigan, a NASA e a Força Aérea dos EUA, o propulsor X3 funciona acelerando um fluxo de átomos eletricamente carregados para produzir impulso.

Durante uma recente demonstração do X3 no Glenn Research Center da NASA em Ohio, cientistas conseguiram quebrar vários recordes mundiais de potência, atuação e impulso.

“Nós mostramos que o X3 pode operar com mais de 100 kW de potência”, disse o líder do projeto, Alec Gallimore.

“Ele funcionou em uma enorme variedade de energia de 5 kW a 102 kW, com corrente elétrica de até 260 amperes. Ele gerou 5,4 Newtons de impulso, que é o maior nível de impulso alcançado por qualquer propulsor de plasma até o momento”.

Enquanto os propulsores de íons são mais eficientes em termos de energia e podem alcançar velocidades muito maiores que os foguetes químicos, eles têm uma aceleração muito menor e, portanto, demoram muito para se acelerarem.

“Você pode pensar em propulsão elétrica como tendo 10 vezes as milhas por galão em comparação com a propulsão química”, disse Gallimore.

“Os sistemas de propulsão química podem gerar milhões de kilowatts de energia, enquanto os sistemas elétricos existentes só conseguem 3 a 4 quilowatts”.

“O que precisamos para a exploração humana é um sistema que pode processar algo como 500.000 watts (500 kW), ou mesmo um milhão de watts ou mais”.

“Isso é algo como 20, 30 ou mesmo 40 vezes o poder dos sistemas convencionais de propulsão elétrica”.

Deixe seu comentário!