Por que uma palavra às vezes está “na ponta da língua”, mas não conseguimos lembrá-la?

Lá está você no meio de uma conversa e, de repente, dá um branco em uma determinada palavra. Está bem ali… se você pudesse se lembrar…

Você segue em frente e, horas depois, algo desperta sua memória e a palavra vem até você, muito depois de sua relevância ter passado.

Então o que aconteceu?

Você experimentou o que os pesquisadores chamam de estado na ponta da língua, aquele momento agonizante em que você sabe exatamente o que quer dizer, mas não consegue produzir a palavra ou frase.

Longe de serem sinais reveladores de demência ou doença de Alzheimer, esses momentos são simplesmente parte da maneira como nos comunicamos e são mais ou menos universais.

Em nossos cérebros, vários departamentos são responsáveis pela memória, pensamento figurativo, sensação e fala, “nomeação”.

Aparentemente, algumas vezes eles não funcionam em sincronia para que você se lembre da imagem, sinta tudo conectado a ela, mas o departamento de fala se recusa a divulgar o resultado.

Quanto mais você deseja lembrar, menos provável é que você tenha sucesso.

Estudos indicam que tais situações de “esquecimento” ocorrem com cada vez mais frequência à medida que envelhecemos. No entanto, a causa nem sempre é a deterioração mental relacionada à idade.

A questão, como se vê, está na experiência acumulada — quanto mais, mais complicado é o trabalho dos centros envolvidos no pensamento e mais provável é que haja falhas e conflitos internos.

A má notícia é que não há muito que possamos fazer no momento para refrescar nossa memória quando isso acontecer. No entanto, usar certas palavras ou nomes com mais frequência pode torná-lo menos propenso a ficar em branco quando estiver tentando produzir essa palavra, nome ou frase.

Então, se você nunca consegue se lembrar do nome daquele cara na administração quando está falando sobre ele, tente dizer o nome dele em voz alta quando puder: isso pode poupar um pouco de constrangimento no futuro.

Deixe seu comentário!