Plutão deveria ser classificado como um planeta novamente?

Pesquisadores questionaram o raciocínio por trás do rebaixamento de Plutão do planeta para o planeta anão.

Para que um corpo seja classificado como um planeta sob a definição atual da palavra, ele deve estar em órbita ao redor de sua estrela-mãe, deve ser massivo o suficiente para que sua própria gravidade o faça circular e deve ter ‘limpado sua vizinhança’ de objetos menores dentro de sua própria órbita.

Enquanto Plutão consegue satisfazer os dois primeiros critérios, o terceiro, que requer que ele tenha massa suficiente para limpar seu caminho orbital de detritos, acabou por roubar seu status planetário.

Agora, porém, uma equipe de pesquisadores da Universidade da Flórida Central tem trabalhado para abolir este terceiro requisito com base em que ele não é apoiado pela literatura científica.

A única referência ao requisito de liberação de órbita que eles poderiam encontrar estava em uma publicação de 1802 e já havia sido rejeitada com base em que seu raciocínio era inválido.

“A definição da União Astronômica Internacional diria que o objeto fundamental da ciência planetária, o planeta, deve ser definido com base em um conceito que ninguém usa em suas pesquisas”, disse o principal autor do estudo, Philip Metzger.

“É uma definição descuidada … Eles não disseram o que queriam dizer com a limpeza de sua órbita. Se você pegar isso literalmente, então não há planetas, porque nenhum planeta limpa sua órbita.”

A alegação de que esse requisito de remoção de órbita é uma definição padrão, portanto, pode ser falsa.

Há também o fato de que Plutão, que era esperado por muito tempo ser um mundo estéril e sem características, acabou se tornando um dos lugares mais geologicamente ativos e diversos do sistema solar.

“O único planeta que tem geologia mais complexa é a Terra”, disse Metzger.

Se as descobertas da equipe terão qualquer efeito sobre o status planetário de Plutão, no entanto, ainda não está claro.

Deixe seu comentário!