Planetas condenados ‘chamam’ através do cosmos

Astrofísicos descobriram uma maneira de detectar os núcleos sobreviventes de planetas orbitando estrelas anãs brancas.Ao esgotar todo o seu combustível, a maioria das estrelas do universo (aquelas com 10 ou menos massas solares) acabará derramando suas camadas externas, deixando para trás um núcleo pequeno e denso conhecido como anã branca.

Quando isso acontece, o processo normalmente também destrói as camadas externas de quaisquer planetas nas proximidades, no entanto, de acordo com um novo estudo, os núcleos sobreviventes desses mundos em órbita ainda podem emitir ondas de rádio, permitindo que os astrônomos aqui na Terra os detectem.


“Ninguém jamais encontrou apenas o núcleo de um grande planeta antes, nem um grande planeta apenas através do monitoramento de assinaturas magnéticas, nem um grande planeta em torno de uma anã branca”, disse o líder do estudo Dimitri Veras, da Universidade de Warwick.

“Portanto, uma descoberta aqui representaria ‘primeiros’ em três sentidos diferentes para os sistemas planetários”.Segundo o estudo, o campo magnético entre uma estrela anã branca e um núcleo planetário sobrevivente pode formar o que é conhecido como circuito indutor unipolar.

Por sua vez, isso pode produzir radiação que emite como ondas de rádio.

“Há um ponto ideal para detectar esses núcleos planetários: um núcleo muito próximo à anã branca seria destruído pelas forças das marés, e um núcleo muito distante não seria detectável”, disse Veras.

A caçada começou agora para detectar o primeiro núcleo planetário distante usando este método.

Deixe seu comentário!