Pessoas do deserto evoluem para beber água venenosa

A população local do Deserto do Atacama no Chile desenvolveu a capacidade de beber água atada com arsênico.

A água potável disponível para as pessoas da região é uma mistura particularmente desagradável contendo um micrograma por litro de arsênico – 100 vezes mais do que o limite recomendado para consumo humano pela Organização Mundial da Saúde.

Apesar disso, as pessoas locais parecem prosperar. A razão para isso, os cientistas acreditam, é porque ao longo de milhares de anos, eles têm evoluído a capacidade de consumi-la sem trazer qualquer mal-estar.

Em um novo estudo da Universidade do Chile em Santiago, que investigaram os genes de 150 pessoas que vivem nestas regiões, mostrou que esses indivíduos tinham uma enzima protetora capaz de metabolizar arsênico em algo que é menos tóxico e pode ser mais facilmente expelido pelo corpo.

“Nossos dados sugerem que uma alta capacidade de metabolização do arsênio foi selecionada como um mecanismo de adaptação nessas populações, a fim de sobreviver em um ambiente com arsênico”, escreveram.

Parece que, em uma quantidade relativamente pequena de tempo, a seleção natural resultou em uma população inteira capaz de sobreviver em uma fonte de água que seria mortal para a maioria das pessoas.

É semelhante a tolerância à lactose – algo que surgiu há cerca de 7.000 anos devido a uma mutação permitindo que os adultos possam digerir leite através da produção contínua da enzima lactase.

Até hoje, somente cerca de 25-35% da população mundial é capaz de beber leite.