Pandas vermelhos podem ser duas espécies distintas

Acontece que pode haver mais sobre o ameaçado panda vermelho da China do que aparenta.

Escrevendo em The Conversation, Adam Moolna – professor de Meio Ambiente e Sustentabilidade na Universidade Keele do Reino Unido – discute a última revelação em torno desta espécie de mamífero asiático em extinção.



Os pandas vermelhos não são ursos, mas comem principalmente bambu, como seu homônimo muito maior, o panda gigante preto e branco. Oficialmente classificados como ameaçados de extinção, os pandas vermelhos vivem em um trecho do Himalaia e, na verdade, fazem parte da mesma família das doninhas e guaxinins. 

Agora, os avanços no sequenciamento de genes sofisticados permitiram aos cientistas analisar sua composição genética completa pela primeira vez – com grandes implicações para a conservação.

Anteriormente, os cientistas reconheceram duas subespécies diferentes. Os pandas a leste do rio Nujiang (também conhecido como rio Salween), com maçãs do rosto mais largas e faces mais vermelhas, foram classificados como panda vermelho chinês. Aqueles a oeste eram o panda vermelho do Himalaia.

Mas essa divisão em há muito é debatida. O rio Nujiang era talvez um recurso geográfico conveniente e aparentemente óbvio para estabelecer uma fronteira, mas os pandas de ambos os lados não mostravam uma diferença clara.

Duas espécies

Um novo estudo publicado na revista Science Advances por pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências é um marco nesse debate. 

De acordo com seu trabalho, os pandas realmente se enquadram em dois clusters genéticos claros, embora a fronteira provável entre os dois seja o rio Yalu Zangbu, várias centenas de quilômetros mais a oeste. 

Os dois agrupamentos são distintos o suficiente para os pesquisadores concluírem que podem ser classificados geneticamente como duas espécies distintas.

De forma inteligente, os cientistas também compararam o DNA de mitocôndrias herdadas por mulheres (as “baterias” de células) e o cromossomo Y transportado por homens. Isso mostrou que, como nos pandas gigantes, são as fêmeas que se dispersam por toda a área, não os machos. 

Isso é diferente da maioria dos mamíferos em que são os machos que viajam e espalham a diversidade genética entre diferentes populações. Como no panda gigante, isso pode ser devido à competição por tocas entre as fêmeas e à territorialidade masculina.

O que isso significa para os pandas vermelhos

Isso importa? Afinal, tais classificações podem parecer irrelevantes e nerd se precisarmos da genética molecular apenas para distinguir entre dois pandas fofos que, de outra forma, seriam iguais. Mas, sim, as espécies (e subespécies) importam.

Primeiro, é útil para aumentar a conscientização. Você deve ter ouvido falar de Lonesome George em Galápagos, a última tartaruga gigante sobrevivente da Ilha Pinta. Ele se tornou famoso (e atraiu muita atenção conservacionista e apoio popular) precisamente porque os cientistas reconheceram que as tartarugas gigantes eram espécies ou subespécies diferentes em ilhas diferentes.

O conhecimento da genética molecular também é crucial para as perspectivas de sobrevivência dos pandas vermelhos. 

Conhecer os padrões anteriores de fluxo gênico e que as fêmeas foram as grandes responsáveis ​​significa que os conservacionistas podem planejar a reprodução em zoológicos ou translocações de indivíduos na natureza, de acordo com a genética populacional.

Os pesquisadores identificam três populações distintas dentro do panda vermelho chinês e sugerem que sejam tratadas como unidades de conservação separadas. 

Para uma das populações, isso exigiria cooperação internacional entre China, Mianmar e Índia. Identificar isso na genética de uma “espécie-bandeira” fofa como o panda vermelho é uma maneira promissora de fazer os políticos trabalharem juntos além das fronteiras para proteger ecossistemas inteiros, com benefícios de conservação muito mais amplos.

As informações sobre o status da população do panda vermelho são limitadas, mas a avaliação geral mostra grandes declínios. Distinguir duas espécies pode permitir que diferentes níveis de vulnerabilidade sejam destacados. 

É importante ressaltar que o panda vermelho do Himalaia tem uma diversidade genética muito baixa e carrega um alto nível de mutações potencialmente prejudiciais à saúde. Em teoria, isso significa que os cientistas poderiam realizar um resgate genético cruzando-os seletivamente com os pandas vermelhos chineses.

Questões controversas

Mas é aqui que diferentes conceitos de espécie como entidades separadas se tornam controversos. O uso da genética para definir uma espécie como um agrupamento que compartilha genomas uniformes – o conceito de “espécie fenotípica” – é cada vez mais comum, mas ainda contestado. 

Uma opção seria voltar ao conceito de “espécie biológica”, que diz que os animais que podem cruzar são as mesmas espécies e as distinções com base na aparência ou outras características formam subespécies separadas. Com base nisso, os pandas vermelhos do Himalaia e da China – que podem cruzar entre si – são a mesma espécie.

Tudo isso levanta muitas questões complicadas: estaríamos certos em isolar geneticamente o panda vermelho do Himalaia para obter pureza, mas arriscando uma saúde genética deficiente e um risco maior de extinção? 

Ou devemos maximizar suas chances de sobrevivência com a ajuda seletiva do DNA do panda vermelho chinês, mesmo que isso signifique conservar uma espécie menos “pura” do Himalaia? Manter uma divisão genética entre “espécies” é mais importante do que entre “subespécies”?

Decidir que as duas são espécies diferentes também pode ter consequências imprevistas para a administração da conservação. 

Estruturas bem-intencionadas para proteção de espécies podem limitar as opções de resgate genético para o panda vermelho do Himalaia ou colocar barreiras de papelada no lugar entre as populações selvagens. Dados os limites genéticos borrados e a separação geográfica incerta, talvez dividir os animais em espécies com base na genética seja realmente inútil.

Devemos terminar com uma palavra de advertência. Para a maioria das pessoas, um “tigre” é um tigre, mas os cientistas reconhecem várias subespécies sutilmente diferentes. 

Esse reconhecimento foi fundamental para perceber a vulnerabilidade de certas populações e direcionar os esforços de conservação para as subespécies criticamente ameaçadas de extinção, como Sumatra ou tigres malaios. 

Apesar disso, entretanto, várias subespécies já foram extintas. Reclassificar uma subespécie como espécie pode ajudar a conservá-la, mas não pode reverter décadas de caça e perda de habitat.

Deixe seu comentário!