Os últimos mamutes perderam a capacidade de cheirar flores

Ao “ressuscitar” o DNA de mamutes extintos, os cientistas descobriram o que pode ter contribuído para sua morte.

Talvez o mais reconhecível de todos os mamíferos extintos da Era do Gelo, o majestoso mamute lanoso esteja frequentemente associado a um tempo muito antes de a civilização humana moderna começar a aparecer em cena.


Por incrível que pareça, apesar da maioria dos mamutes desaparecer entre 15.000 e 10.000 anos atrás, algumas populações isoladas conseguiram se segurar contra todas as probabilidades.

Agora, os cientistas que trabalham para “ressuscitar” os genes dos mamutes que viveram em uma população isolada em uma ilha da Sibéria até cerca de 4.000 anos atrás revelaram que esses últimos indivíduos sofriam de uma variedade de defeitos genéticos potencialmente debilitantes.

Ao comparar seus genes aos dos elefantes modernos, os pesquisadores descobriram que os mamutes teriam experimentado infertilidade, problemas com o desenvolvimento neurológico e podem até ter perdido a capacidade de cheirar flores – fatores que poderiam ter contribuído para sua eventual morte.

Pensa-se que o pequeno tamanho da população na ilha (300 a 500 animais) possa ter limitado o pool genético e tornado praticamente impossível a sobrevivência a longo prazo.

Embora esse possa não ter sido o motivo final para sua extinção, foi certamente mais um prego no caixão pelo pouco que restou da população de mamutes de lã naquela época da história.

No ano de 1650 aC, os últimos indivíduos que restaram haviam praticamente desaparecido.

Deixe seu comentário!