Os físicos podem prever os saltos do gato de Schrodinger (e salvá-lo)

Os cientistas finalmente determinaram uma maneira de capturar e salvar o símbolo quintessencial da incerteza quântica.

Originalmente concebido pelo físico austríaco Erwin Schrodinger em 1935, o gato de Schrodinger é um experimento mental paradoxal projetado para ilustrar a imprevisibilidade da física quântica. 

Ele se concentra no conceito de superposição – a capacidade de dois estados opostos existirem simultaneamente. 

Para o experimento, o gato é colocado em uma câmara selada junto com um átomo radioativo. Se o gato está vivo ou morto, depende se o átomo decaiu ou não e emitiu radiação. 

Como a partícula tem o potencial de estar em ambos os estados ao mesmo tempo, o gato está vivo e morto até que a caixa seja aberta e o estado quântico real do átomo radioativo seja observado.

Agora, em um novo estudo, cientistas de Yale descobriram uma maneira de realmente antecipar a mudança no estado, analisando o funcionamento de um salto quântico com mais detalhes do que nunca. 

Eles descobriram que não era nem tão abrupta nem tão aleatória quanto sugerido anteriormente. 

“Os saltos quânticos de um átomo são de certa forma análogos à erupção de um vulcão”, disse o principal autor do estudo, Zlatko Minev. “Eles são completamente imprevisíveis a longo prazo.” 

“No entanto, com o monitoramento correto, podemos com certeza detectar um aviso prévio de um desastre iminente e agir antes que ocorra”.

Deixe seu comentário!