O que é o Deus Vult?

Deus vult é um lema católico associado às Cruzadas, mais especificamente com o Primeiro Cruzada de 1096-1099. A frase aparece na tradução da Vulgata da Bíblia cristã.

O grito de guerra da Primeira Cruzada é relatado no Gesta Francorum, escrito por um autor anônimo associado com Bohemond I de Antioquia logo após a campanha de sucesso, em 1100 ou 1101.

De acordo com esta descrição, como a Princes Crusade reuniu-se em Amalfi no No final do verão de 1096, reuniu-se um grande número de cruzados, armados e com o sinal da cruz no ombro direito ou nas costas, gritando em uníssono “Deus le volt, Deus le volt, Deus le volt”.

A Historia belli sacri, escrita um pouco depois, c. 1131, também cita o grito de guerra.

O grito de guerra é novamente mencionado no contexto da captura de Antioquia em 3 de junho de 1098. O autor anônimo do Gesta estava ele mesmo entre os soldados capturando as torres de parede, e conta que “vendo que eles já estavam nas torres, eles começaram gritar Deus le volt com vozes alegres; então, de fato, nós gritamos “.

Robert o monge em c. 1120 reescreveu o Gesta Francorum porque foi considerado muito “rústico”. Ele acrescentou um relato do discurso de Urbano II no Concílio de Clermont, do qual ele foi uma testemunha ocular.

O discurso culmina no apelo de Urbano por ortodoxia, reforma e submissão à Igreja. Robert registra que o papa pediu aos cristãos ocidentais, pobres e ricos, que viessem em auxílio dos gregos no leste:

Quando o papa Urbano havia dito essas e muitas outras coisas semelhantes em seu discurso urbano, ele influenciou de tal modo a um propósito os desejos de todos os que estavam presentes, que eles gritaram: ‘É a vontade de Deus! É a vontade de Deus!

Quando o venerável pontífice romano ouviu que, com os olhos erguidos para o céu, deu graças a Deus e, com a mão em silêncio, disse: “Muito amados irmãos, hoje manifesta em vocês o que o Senhor diz no Evangelho”, onde dois ou três estão reunidos em meu nome e eu estou no meio deles”.

“A menos que o Senhor Deus estivesse presente em seus espíritos, todos vocês não teriam dito o mesmo grito. Pois, embora o grito emitido de numerosas bocas, ainda a origem do choro era um. Portanto, eu digo a você que Deus, que implantou isso em seus seios, tirou isso de você. Que este então seja o seu grito de guerra em combates, porque esta palavra é dada a você por Deus. Quando um ataque armado é feito contra o inimigo, que este grito seja levantado por todos os soldados de Deus: é a vontade de Deus! É a vontade de Deus!”

Robert também relata que o grito de Deus lo vult foi a princípio gritado em tom de brincadeira pelos soldados de Bohemund durante seus exercícios de combate, e mais tarde se transformou em um verdadeiro grito de guerra, que Bohemund interpretou como um sinal divino.

Expressões latinas contendo a frase Deus vult […] (“Deus […] deseja”) incluem Deus vult omnes homines salvos fieri (“Deus quer que todos os homens sejam salvos”, uma paráfrase de 1 Timóteo 2: 3– 4), e Quos deus vult perdere dementat prius (“Aqueles que um deus deseja destruir, ele ataca com loucura primeiro”).

Deus lo vult é o lema da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, uma ordem católica romana de cavalaria (restaurada em 1824).

George Flahiff CSB em 1947 usou Deus Non Vult como o título de um exame da perda gradual de entusiasmo pelas cruzadas no final do século XII, especificamente das primeiras críticas das cruzadas por Ralph Niger, escrito em 1189.

O almirante Alfred Thayer Mahan, um episcopal protestante, usou a expressão para seu argumento do “domínio de Cristo” como “essencialmente imperial” e que “o cristianismo e a guerra” tinham muito em comum: “Deus vult!” digamos eu. Era o grito dos cruzados e dos puritanos e duvido que o homem jamais tenha proferido um nobre.”

Deus Vult

A expressão “Deus vult” foi referenciada em seu contexto histórico no videogame Crusader Kings II (2012), e mais tarde desenvolvida em um meme da Internet, ganhando popularidade entre os partidários de Donald Trump durante a eleição presidencial dos EUA em 2016.

A frase se tornou “uma espécie de palavra de código de extrema direita, uma hashtag proliferada em torno das mídias sociais.”

Várias mesquitas e outros locais foram desfigurados com a frase em 2016.

Deixe seu comentário!