O que é contágio suicida?

O aparente suicídio do chef, autor e apresentador de TV Anthony Bourdain vem poucos dias depois que outra celebridade, a estilista Kate Spade, se matou.

Com o suicídio tendo um conhecido “efeito de contágio”, a incidência de dois suicídios de celebridades em uma semana levanta a questão de saber se isso poderia estar em jogo aqui: a cobertura da mídia sobre a morte do estilista influenciou a de Bourdain? E mais suicídios poderiam seguir os dele?

No mês em que Marilyn Monroe morreu de overdose de barbitúricos em 1962, houve um aumento nas mortes por suicídio em até 12%, de acordo com o Center for Suicide Prevention. A morte da estrela de cinema foi inicialmente considerada um suicídio, mas relatos posteriores levantaram questões sobre essa conclusão.

Em outro caso famoso, depois que a mídia noticiou que as pessoas em Viena, na Áustria, se matavam atirando-se na frente dos trens, mais pessoas faziam a mesma coisa. Diretrizes nacionais foram implementadas sobre a cobertura de suicídio na mídia, após o que as taxas de suicídio despencaram em até 81%, de acordo com estudos.

O que é o contágio suicida?

O contágio suicida refere-se ao fenômeno da exposição indireta ao suicídio ou a comportamentos suicidas que influenciam outros a tentar se matar.

Mas a questão de saber se esse efeito existe ainda permanece controversa entre os pesquisadores; pensamentos e comportamentos suicidas, afinal, não são uma condição contagiosa, como um vírus.

Há acordo em muitos pesquisadores, no entanto, que a publicidade em torno de um suicídio pode aumentar o risco de outros suicídios.

Três áreas principais de pesquisa estão tentando desvendar o contágio suicida: como um suicídio afeta os pares ou a família da pessoa? Que impacto a cobertura jornalística de um suicídio pode ter sobre a tentativa ou o suicídio de outras pessoas? Que influência poderia haver de suicídios fictícios em filmes ou programas de televisão como “13 Reasons Why” ou de letras de música.

Qualquer potencial aumento de suicídios após histórias da mídia é apelidado de “efeito Werther”, que remonta a temores de suicídios contagiosos após a publicação do romance de Goethe, “As Dores do Jovem Werther”, que detalhou o suicídio de um personagem. Isso foi perto de 250 anos atrás, em 1774.

O contágio suicida é responsável por pelo menos 5% dos suicídios entre os jovens a cada ano, segundo Madeyln Gould, professor de epidemiologia e psiquiatria da Universidade de Columbia, especializado em estratégias de prevenção do suicídio.

Um estudo da Fundação Americana para Prevenção ao Suicídio concluiu que a cobertura noticiosa do suicídio provavelmente desempenha um papel em aproximadamente 10% das mortes por suicídio de pessoas com menos de 25 anos.

O que é um cluster suicida?

Um cluster é quando múltiplos suicídios ou tentativas de suicídio acontecem na mesma época – normalmente dentro de um período de três meses – e, às vezes, em torno de um determinado local, como em uma cidade ou escola.

Os aglomerados ocorrem principalmente entre adolescentes e jovens adultos. Gould, da Universidade de Columbia, estudou pelo menos 50 grupos de suicidas nos Estados Unidos e, em seu livro “O contágio do comportamento suicida”, afirma que os únicos segmentos de conexão em cada caso são aqueles que cometem suicídio com idades próximas.

Quais fatores aumentam o risco de suicídio?

O risco de suicídio aumenta quando as histórias da mídia usam manchetes ou imagens mais dramáticas ou gráficas, relatam repetidamente o mesmo suicídio, descrevem explicitamente o método do suicídio e dramatizam a morte através de manchetes romantizadas ou mostrando o local do suicídio e fotos daqueles em luto, diz a Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio.

Uma meta-análise que analisou 10 estudos sobre as consequências de 98 mortes de celebridades encontrou um aumento de 0,26% nas taxas de suicídio nos meses após as celebridades se matarem.

O que pode ser feito para minimizar o contágio?

Devido às preocupações sobre a possibilidade de contágio suicida, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e outros, como a Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio, publicaram orientações sobre como relatar que alguém está tirando a própria vida.

Diretrizes pedem para evitar reportagens que descrevam a morte como uma “fuga” para uma pessoa problemática ou que dê detalhes mórbidos sobre o suicídio.

O relato, porém, deve destacar sinais de alerta de suicídio e recursos de prevenção. Todas essas práticas podem ajudar a minimizar qualquer efeito da cobertura noticiosa do suicídio.

Um método-chave para tentar reduzir os suicídios é aumentar a triagem para aqueles em risco, o que pode levar a encaminhamentos para os serviços de saúde mental. Não tenha medo de discutir o suicídio com aqueles em risco – isso pode ajudar.

Deixe seu comentário!