O que aconteceu com Ronaldo antes da final da Copa do Mundo de 1998?

O palco estava montado em Paris: o torneio recebia a França contra o Brasil de Mario Zagallo na Final da Copa do Mundo de 1998. A seleção contava com seu super atacante de 21 anos.

Ronaldo foi para a França em 1998 com um saldo de 34 gols na Inter de Milão e marcou quatro gols até a final – incluindo o primeiro gol do empate semifinal do Brasil com a Holanda, que foi para os pênaltis.

Uma gloriosa coroação estava sendo preparada cinco dias depois em Saint-Denis. Houve um debate sobre o que realmente aconteceu no período que antecedeu o confronto final – e como isso afetou o Brasil posteriormente – mas o ex-atacante explica à FFT exatamente como as coisas aconteceram.

“Eu decidi descansar depois do almoço e a última coisa que me lembro foi de dormir”, lembra ele. “Depois disso, tive uma convulsão. Eu estava cercado de jogadores e o falecido Dr. Lidio Toledo estava lá. Eles não queriam me dizer o que estava acontecendo.

“Eu perguntei se eles poderiam sair e ir falar em outro lugar porque eu queria dormir. Então Leonardo me pediu para dar uma volta no jardim do hotel onde estávamos e explicou toda a situação. Disseram-me que eu não iria jogar na final da Copa do Mundo”.

“Mas todos os exames médicos essenciais não mostravam nada que fosse anormal – era como se nada tivesse acontecido. Depois disso, fomos ao estádio com uma mensagem de Zagallo dizendo que eu não iria jogar. Eu tinha resultados dos exames na minha mão – com o Dr. Toledo dando luz verde, aproximei-me do [Mario] Zagallo no estádio e disse: “Estou bem. Não estou sentindo nada. Aqui estão os resultados do teste, estão bem. Quero jogar.”

“Eu não dei a ele uma alternativa. Ele não teve escolha e aceitou minha decisão. Então eu joguei e talvez eu tenha afetado todo o time porque essa convulsão foi certamente algo muito assustador. Não é algo que você vê todos os dias”.

“De qualquer forma, eu tinha um dever para com o meu país e não queria perder isso. Eu tive a minha honra e senti que podia jogar. Obviamente não foi uma das melhores partidas da minha carreira, mas eu estava lá para cumprir o meu papel”.

Deixe seu comentário!