Novo estudo prevê grande declínio de insetos

Um novo estudo preocupante destacou os efeitos catastróficos do aquecimento global nas populações de insetos.

A pesquisa, focada na floresta tropical de Porto Rico, registrou uma queda significativa no número de insetos e mamíferos que se alimentam de insetos nas últimas décadas, após um aumento médio da temperatura de cerca de dois graus Celsius.

Alguns grupos de insetos, como os milípedes e os insetos, diminuíram em mais de 60%.

“Nossos resultados sugerem que os efeitos do aquecimento climático nas florestas tropicais podem ser ainda maiores do que o previsto”, disse o principal autor do estudo, Brad Lister, do Rensselaer Polytechnic Institute.

“As populações de insetos na floresta de Luquillo estão em colapso, e uma vez que isso comece, os animais que comem os insetos têm comida insuficiente, o que resulta em diminuição da reprodução e sobrevivência e conseqüente declínio na abundância.”

Além do declínio de insetos em regiões tropicais, há também evidências que sugerem que o número de insetos está despencando na Europa também. Na Alemanha, por exemplo, houve um declínio de 76% em insetos voadores em várias reservas naturais nas últimas décadas.

“Este estudo no PNAS ( Proceedings of National Academy of Sciences ) é um verdadeiro alerta – um toque de clarim – que o fenômeno poderia ser muito, muito maior, e através de muitos outros ecossistemas”, disse o especialista em conservação de invertebrados David Wagner. a Universidade de Connecticut.

“Este é um dos artigos mais perturbadores que já li”.

Deixe seu comentário!