NASA luta contra vazamento de ar na estação espacial

Astronautas americanos na ISS estão dormindo no segmento russo enquanto o vazamento é investigado.

Dois anos depois do infame e inexplicável vazamento a bordo de uma espaçonave Soyuz ancorada na ISS, a NASA informou que outro vazamento foi detectado e sua fonte ainda permanece um mistério.


O vazamento foi realmente notado pela primeira vez em setembro de 2019, no entanto, na época a perda de ar foi muito pequena e demorou até agora para que o problema se tornasse sério o suficiente para justificar uma investigação direta.

Encontrar a localização de um pequeno vazamento em um posto orbital tão grande, entretanto, não é uma tarefa fácil.

Enquanto as equipes de terra da NASA realizavam suas investigações, os astronautas americanos foram forçados a passar as últimas noites no segmento russo com os cosmonautas Anatoly Ivanishin e Ivan Vagner.

Embora se pensasse que a fonte teria sido encontrada no início desta semana, a agência espacial confirmou posteriormente que seria necessário mais tempo para localizar o vazamento.

“Todas as escotilhas do laboratório orbital permanecerão fechadas até terça-feira de manhã para dar aos especialistas em solo tempo adicional para coletar dados e monitorar as leituras de pressão em cada módulo”, escreveu a NASA. “A taxa ainda está dentro das especificações do segmento e não apresenta perigo para a tripulação ou para a estação espacial.”

Com certeza, a escotilha entre as duas seções da estação abriu conforme planejado esta manhã, no entanto, a NASA continuará monitorando a situação de perto.

“Por causa das operações de rotina da estação, como caminhadas espaciais e chegadas e partidas de espaçonaves, levou tempo para reunir dados suficientes para caracterizar essas medições”, escreveu a agência espacial.

“Essa taxa aumentou ligeiramente, então as equipes estão trabalhando em um plano para isolar, identificar e potencialmente reparar a fonte.”

Deixe seu comentário!