Mistério do peixinho gasterosteidae virgem, porém, grávido

Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que um peixe apelidado de “Mary” estava carregando óvulos fertilizados.

Nativo para as águas frescas e costeiras do Hemisfério Norte, o espinhel de três espinhos reproduz-se tipicamente quando a fêmea, tendo sido atraída para um ninho pelas rotinas de dança do macho, continua a botar seus ovos e é então expulso, deixando o macho fertilizá-los.


Neste caso, no entanto, uma fêmea coletada das Hébridas Exteriores na Escócia parecia estar carregando ovos que já haviam sido fertilizados – deixando os cientistas coçando a cabeça.

“Ela parecia um peixe ordinário, então não acreditávamos quando descobrimos que ela tinha embriões quase completamente desenvolvidos dentro de seus ovários”, disse Laura Dean.

“Isso é praticamente inédito em uma espécie de postura. Os embriões eram perfeitamente saudáveis, não deformados de forma alguma, e a maioria passou a viver uma vida adulta normal”.

Depois de realizar testes genéticos na prole, ficou claro que deve ter havido um pai – então, como os ovos se tornaram fertilizados ainda dentro do corpo da mãe?

“O que provavelmente aconteceu foi que ela foi a um ninho para botar seus ovos, onde outra fêmea já havia colocado seus ovos, que haviam sido cobertos com espermatozóides por um macho”, disse Dean.

“De alguma forma, alguns dos espermatozóides no ninho devem ter entrado em Mary, presumivelmente através de seu tubo de óvulos, e fertilizado os ovos dentro dela, mas ela nunca colocou os ovos.”

Esforços estão sendo feitos para determinar se isso foi um golpe de sorte completo, ou se a espécie está passando por uma mudança evolutiva que poderia explicar este novo comportamento.

“Embora esse achado quase acidental tenha revelado um fenômeno extremamente raro, pode nos ajudar a entender uma mudança realmente importante que aconteceu em toda a árvore da vida”, disse Andrew MacColl, professor associado de Biologia Evolutiva.

Deixe seu comentário!