Marte sempre esteve destinado a morrer

Marte é o mundo quase perdido do sistema solar. A Terra pode ter acertado tudo no que diz respeito à sustentação da vida – atmosfera, água, proximidade do sol. Mercúrio, Vênus e os planetas externos, com suas temperaturas extremas e química inóspita, podem ter entendido tudo errado. Marte, por outro lado, chegou tão perto, mas ficou aquém.

Graças aos dados de veículos espaciais e outras espaçonaves, sabemos que o Planeta Vermelho uma vez espirrou bastante com água – com deltas secos, leitos de rios e bacias marítimas estampadas em sua superfície. Mas, há 4 bilhões de anos, o núcleo marciano esfriou, desligando o dínamo que sustentava seu campo magnético. Isso deixou o planeta vulnerável ao vento solar, que destruiu a atmosfera e permitiu que a água marciana caísse no espaço. Em pouco tempo – em termos geológicos – o planeta era um deserto.

De acordo com a nova pesquisa, Marte estava condenado desde o início. Seu pequeno tamanho – cerca de metade do diâmetro da Terra e menos de um nono da massa – simplesmente nunca produziu o músculo gravitacional para permitir que o planeta prendesse o ar ou a água. Com ou sem campo magnético, Marte estava destinado a morrer.

O estudo, liderado pelo cientista planetário Zhen Tian, ​​da Universidade de Washington em St. Louis, contou com a análise de 20 meteoritos cuja composição química estabelece que eles se originaram como pedaços de Marte. As rochas variam em idade de apenas algumas centenas de milhões a 4 bilhões de anos. Essa amostra abrange confortavelmente a transição de Marte de um mundo úmido para um seco, mas mesmo nas rochas mais antigas, não haveria vestígios de umidade a serem encontrados. A passagem do tempo – para não falar da longa viagem que os meteoritos fizeram pelo espaço – teria causado a evaporação total de um composto tão volátil quanto a água.

Em vez de água, os pesquisadores procuraram potássio isotópico, que estava presente em abundância no início de Marte e pode ser usado como uma espécie de proxy químico da água. “O potássio é um elemento moderadamente volátil (imitando o comportamento de elementos altamente voláteis), mas não é muito volátil para se perder completamente”, escreveu Kun Wang, um cientista planetário da Universidade de Washington e um dos autores do estudo, em um e-mail para TIME. “É mais fácil medir em alta precisão.” Quanto mais potássio isotópico os investigadores encontraram nas rochas, mais água teria havido.

Acontece que não teria havido muito. A idade das rochas e o nível de potássio deixado nelas indicavam que não apenas a água não esperou que o campo magnético se fechasse e a atmosfera se dissipasse antes de também desaparecer; na verdade, ele começou a desaparecer antes mesmo que o planeta fundido tivesse esfriado completamente.

“O orçamento total de água e outros voláteis foi estabelecido na formação de Marte”, diz Wang. “A perda de água e voláteis para o planeta ocorreu em seu estágio quente e violento.” Essa fase, acrescenta, foi “muito anterior” ao encerramento do campo magnético.

Os pesquisadores não limitaram seu estudo apenas a Marte. Comparando a quantidade de potássio nos meteoritos com a água conhecida na lua e no asteróide Vesta de 525 km (326 milhas) de largura, eles encontraram uma espécie de degrau na quantidade de água que segue diretamente a gravidade e a massa: Marte é mais seco do que a Terra, mas mais úmida do que a lua menor, que por sua vez é mais úmida do que a minúscula Vesta.

Isso tem implicações para a possibilidade de encontrar vida não apenas em Marte, mas em exoplanetas – mundos orbitando outras estrelas. Os astrônomos normalmente procuram planetas rochosos pequenos como a Terra como os lugares mais prováveis ​​para o surgimento da biologia, especialmente se esses planetas forem encontrados na chamada “zona Cachinhos Dourados” em torno de suas estrelas – um lugar onde as temperaturas não são muito quentes nem muito frias para água líquida para existir. Mas um planeta muito pequeno, ao que parece, seria seco, independentemente da temperatura local.

“É provável que haja um limite nas exigências de tamanho dos planetas rochosos para reter água suficiente para permitir a habitabilidade”, disse Wang em um comunicado que acompanha o jornal.

O novo estudo não descarta totalmente a possibilidade da biologia marciana. O mundo antes molhado não perdeu toda a sua água para o espaço. Alguns são arrastados pelo permafrost nos pólos, e outros podem ter recuado para o subsolo, em aqüíferos onde a água seria líquida pelo menos por algumas partes do ano marciano. As formas de vida microbiana que surgiram na era anterior e mais úmida do planeta podem ter encontrado refúgio lá desde então. Marte nunca seria um mundo-jardim como a Terra, mas isso não significa que não possa se mover ainda.

Deixe seu comentário!