Maconha não é boa para o coração, dizem estudos

Você pode amar fumar maconha, mas isso não ama seu coração, de acordo com a nova declaração científica da American Heart Association sobre maconha.

“A American Heart Association recomenda que as pessoas não fumem ou vaporizem qualquer substância, incluindo produtos de cannabis, por causa do potencial dano ao coração, pulmões e vasos sanguíneos”, disse a Dra. Rose Marie Robertson, vice-chefe de ciência e médica da American Heart Association, em um comunicado.


A nova declaração científica, publicada na quarta-feira na revista AHA Circulation, examinou pesquisas existentes sobre a conexão entre a cannabis e o coração.

A declaração encontrada usando maconha tem “o potencial de interferir com medicamentos prescritos”, bem como “desencadear condições ou eventos cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames”, disse o farmacologista clínico Robert Page II, que presidiu o grupo de redação médica da declaração.

Qualquer um que planeje usar maconha deve discutir os possíveis riscos com seu profissional de saúde primeiro, disse Page, que é professor do departamento de farmácia clínica e medicina física / reabilitação da Escola de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da Universidade de Colorado Skaggs em Aurora, Colorado.

“Se as pessoas escolherem usar cannabis para seus efeitos medicinais ou recreativos, as formas oral e tópica, para as quais as doses podem ser medidas, podem reduzir alguns dos danos potenciais”, disse Page em um comunicado.

“Também é de vital importância que as pessoas só usem produtos de cannabis legais porque não há controles sobre a qualidade ou o conteúdo dos produtos de cannabis vendidos nas ruas”, acrescentou.

Complicações cardíacas

Alguns dos estudos analisados ​​pelo grupo médico encontraram anormalidades do ritmo cardíaco, como taquicardia e fibrilação atrial, podem ocorrer dentro de uma hora após a erva daninha contendo THC ser fumada. THC, ou tetrahidrocanabinol, é a substância psicoativa dentro da maconha que cria um “barato”.

O tetrahidrocanabinol também pode causar uma frequência cardíaca mais rápida, aumentar a necessidade de oxigênio do coração, romper as paredes das artérias e contribuir para o aumento da pressão arterial durante a propensão, de acordo com outros estudos.

“A fumaça da cannabis contém componentes semelhantes à fumaça do tabaco”, disse Page, e estudos mostram aumentos semelhantes aos do tabaco em monóxido de carbono e alcatrão no sangue de um fumante de maconha após fumar maconha, independentemente do teor de THC.

Dor no peito, ataques cardíacos, distúrbios do ritmo cardíaco e outras doenças cardíacas graves estão associados à intoxicação por monóxido de carbono e tabaco, disse o comunicado.

Para qualquer pessoa com doença cardíaca existente, os riscos aumentam. Fumar maconha desencadeou ataques cardíacos, um risco maior de derrames e insuficiência cardíaca em pessoas com doenças cardíacas subjacentes, mostram os estudos.

Em comparação, o CBD, ou canabidiol, um dos outros 80 produtos químicos da cannabis, não dá o “barato” tipicamente associado ao THC. Nem parece causar dano ao coração.

Na verdade, estudos revisados ​​pelo grupo médico mostraram possíveis ligações com a redução da pressão arterial, redução da frequência cardíaca e menos inflamação, que é a causa subjacente do estreitamento das artérias que pode levar a doenças cardíacas e derrames.

No entanto, apesar das centenas de produtos atualmente vendidos no balcão e online, há apenas um produto derivado do CBD aprovado pela Food and Drug Administration dos Estados Unidos, escreveu o grupo.

Necessidade ‘urgente’ de pesquisa aprofundada

Há uma advertência para todas essas descobertas de pesquisa: os estudos existentes sobre a maconha e o coração são “estudos de curto prazo, observacionais e retrospectivos, que identificam tendências, mas não provam causa e efeito”, disse Page.

Há uma necessidade “urgente” de “estudos prospectivos de curto e longo prazo cuidadosamente planejados sobre o uso de cannabis e segurança cardiovascular”, acrescentou Page.

Mas isso é difícil de fazer no clima atual, porque a maconha é classificada como substância controlada de Classe I pela Agência Antidrogas dos EUA. Isso limita drasticamente a pesquisa, e a DEA deve remover essas restrições para que os cientistas possam estudar melhor os efeitos da maconha, aconselhou o grupo.

Além disso, o grupo médico recomendou que a maconha fizesse parte dos esforços de prevenção e controle do tabaco da Food and Drug Administration, o que pode significar que haveria restrições de idade para quem pode comprar maconha, regulamentações do varejo e até mesmo impostos sobre produtos.

A American Heart Association está examinando a declaração científica e lançará novas atualizações de políticas nas próximas semanas, de acordo com Michelle Kirkwood, porta-voz da AHA.

“O público precisa de informações científicas válidas e baseadas em fatos sobre o efeito da cannabis no coração e nos vasos sanguíneos”, disse Page.

“O financiamento da pesquisa em níveis federal e estadual deve ser aumentado para acompanhar a expansão do uso de cannabis – para esclarecer as propriedades terapêuticas potenciais e para nos ajudar a entender melhor as implicações cardiovasculares e de saúde pública do uso frequente de cannabis”.

Deixe seu comentário!