Luz solar descontamina máscaras N95 PFF2

Os pesquisadores descobriram uma maneira econômica de matar o coronavírus em máscaras N95 usando azul de metileno e uma luz forte, como a luz do sol, pode matar o coronavírus em máscaras N95. 

Esse método também funciona em alguns outros equipamentos de proteção individual, ou EPIs, tão necessários aos trabalhadores médicos, concluiu um novo estudo.

 “Esta é uma ferramenta valiosa para profissionais de saúde em países de baixa ou média renda, que não têm acesso a refrigeração ou a meios altamente técnicos de esterilização”, disse o Dr. Thomas Lendvay, principal autor do estudo. 

Lendvay é urologista da UW Medicine e também urologista pediatra do Hospital Infantil de Seattle.

As máscaras padrão da indústria, incluindo o N95, são projetadas como dispositivos descartáveis. É muito difícil higienizá-los sem destruí-los ou torná-los tóxicos para o usuário. 

Atualmente, alguns produtos e métodos disponíveis comercialmente desinfetam o EPI com eficácia, mas a maioria exige equipamentos caros que muitos hospitais não podem pagar ou gerenciar.

O azul de metileno é um produto químico prontamente disponível, mesmo em países em desenvolvimento. 

É usado na esterilização do plasma sanguíneo para transfusão e também é um desinfetante tópico, uma vez que encontra luz ou luz solar.

O que animou os pesquisadores ainda mais foi a descoberta de que, uma vez que o azul de metileno, a solução, é exposto à luz brilhante, ele continua a inativar o coronavírus dias após o tratamento do material da máscara. 

É possível que os profissionais de saúde fiquem protegidos por até uma semana com uma única máscara tratada com azul de metileno.

Além do vírus COVID-19, o método foi testado em dois outros tipos de coronavírus: o vírus da hepatite murina e o coronavírus respiratório suíno.

Deixe seu comentário!