Inteligência artificial desenha humanoide a partir das linhas de Nazca

Desde 2006, os pesquisadores foram capazes de desvendar uma série de geoglifos até então desconhecidos (possivelmente numerando mais de 143, com 70 deles descobertos depois de 2015).

Muito disso foi possível devido a técnicas avançadas de fotografia aérea e vigilância por drones . Bem, desta vez, a inteligência artificial entrou na mistura, para identificar um ‘novo’ padrão de Nazca – com a forma de um humanóide de aparência curiosa.


A revelação foi fruto da colaboração entre pesquisadores da Universidade Yamagata (muitos dos quais estiveram envolvidos na identificação de geoglifos de Nazca desde 2006) e a IBM.

De acordo com os cientistas, esta linha de Nazca em forma de humanóide, exibindo uma cabeça retangular, presumivelmente com uma touca e um bastão em uma das mãos, tem 13,1 pés (4 m) de comprimento e 6,6 pés (2 m) de largura.

Mas, como costuma ser o caso com a historicidade dessas gravuras feitas pelo homem, os pesquisadores não têm certeza sobre o papel desempenhado por esse humanoide (possivelmente um homem em trajes sacerdotais) no lado social dos negócios.

Falando em historicidade, as principais Linhas de Nazca – como sabemos hoje, foram provavelmente feitas pelo povo de Nazca entre cerca de 200 DC – 500 DC. No entanto, pesquisas realizadas em 2018 também revelaram como geoglifos e gravuras eram feitas antes desse período, pelas culturas contíguas de Paracas e Topará, de cerca de 500 aC a 200 dC.

Além disso, deve-se notar que historicamente os Paracas e Topará podem ter coexistido em um determinado período de tempo (por volta do século I aC), apesar de este último ser possivelmente um povo ‘invasor’ do norte da região. A cultura Nazca então dominou a área, de cerca de 200 DC a 700 DC.

Finalmente, quanto ao papel da inteligência artificial nessa descoberta significativa, a IA foi desenvolvida com o Watson Machine Learning Accelerator da IBM. A etapa preliminar neste processo foi ‘alimentar’ a IA com várias imagens das Linhas de Nazca – de modo a familiarizá-la com o escopo.

Após o período de ajuste, a IA recebeu dez tarefas para processar e filtrar um grande número de imagens aéreas e de satélite, bem como dados de laser de pesquisas Lidar para identificar Linhas de Nazca que nunca haviam sido relatadas antes.

Consequentemente, neste caso, a IA foi de fato capaz de localizar uma Linha de Nazca em forma de humanóide que antes era desconhecida dos arqueólogos.

Além disso, em um futuro próximo, a colaboração entre a Universidade Yamagata e a IBM buscará empregar tecnologias de ponta, como PAIRS Geoscope (Physical Analytics Integrated Data Repository and Services) para avaliar mais áreas geográficas nas regiões peruanas.

Deixe seu comentário!