Insulares de Páscoa navegaram para a América do Sul?

Um novo estudo lançou dúvidas sobre a ideia de que os habitantes da ilha tinham contato com os nativos americanos.

Uma pequena massa terrestre de apenas 60 milhas quadradas, a Ilha de Páscoa permaneceu como um enigma há anos. Seu exército de estranhas estátuas de pedra e o destino de seus habitantes originais são mistérios que continuam a atrair intriga e perplexidade.

Mais recentemente, os cientistas apresentaram a ideia de que os insulares de Páscoa podem realmente ter viajado para a América do Sul em 1.200 milhas de oceano aberto e fizeram contato com os povos nativos americanos muito antes dos primeiros europeus terem chegado ao continente.

Em 2014, um estudo genético parecia indicar que os habitantes modernos da ilha tinham herdado cerca de 8% do seu DNA de nativos americanos, mas agora um segundo estudo, que envolveu a sequenciação dos genomas dos habitantes originais da ilha antes e depois do contato europeu, não mostrou nenhuma evidência de ascendência nativa americana.

“Nós ficamos realmente surpresos porque não encontramos nada”, disse a antropóloga Lars Fehren-Schmitz.

“Há muita evidência que parece plausível, então estávamos convencidos de que encontraríamos provas diretas de contato pré-europeu com a América do Sul, mas não estava lá”.

“Este estudo destaca o valor do DNA antigo para testar hipóteses sobre a dinâmica da população passada”.

Deixe seu comentário!