Fotografia post mortem imortalizava os mortos

Para nós, pode parecer triste ou perturbador, mas para muitos, a fotografia post-mortem trouxe um grande alívio para os entes queridos em luto.

Durante a era vitoriana, a fotografia post-mortem –  ou fotografar os mortos – era uma parte normal das culturas americana e europeia. 

Essas fotos vitorianas da morte ajudam no processo de luto. Eles também serviram para documentar a aparência de um ente querido falecido em uma época em que a fotografia não era tão comum. Em outras palavras, uma foto da morte de um bebê ou de um dos pais pode ser a única imagem para lembrar de uma pessoa.

Quando a fotografia post mortem apareceu pela primeira vez

A fotografia daguerreótipo tornou-se comercialmente disponível pela primeira vez em 1839. A invenção do daguerreótipo permitiu que as famílias posassem corpos e tirassem recordações. Em alguns casos, essas eram as únicas fotografias que continham toda a família. No entanto, esse tipo de fotografia era muito caro, pois envolvia imagens muito detalhadas em prata polida.

Dan Meinwald de seu artigo “Memento Mori: Death and Photography in Nineteenth-Century America” explica o significado da fotografia post mortem:

A realização de uma fotografia de retrato foi uma ocasião memorável. Os resultados tiveram uma importância para seus temas que diminuiria no século XX, depois que a fotografia deixou de ser uma novidade. Uma fotografia de retrato era uma expressão de identidade e de valor individual.[…]Uma fotografia post mortem, que representava a perda de um indivíduo, tinha um valor além de um retrato comum.DAN MEINWALD

Por que fotografar os mortos?

O objetivo da fotografia post-mortem era que os sobreviventes tivessem uma “última olhada” nos membros da família e entes queridos que morreram. A criação de máscaras mortuárias tirada diretamente do rosto de um cadáver era outra maneira de homenagear os mortos. Embora as fotos possam parecer assustadoras e perturbadoras, elas ajudam as famílias a lamentar e lembrar daqueles que faleceram. 

De certa forma, essas fotos também eram uma homenagem aos mortos. Outra coisa importante a considerar é a alta taxa de mortalidade infantil dessas eras anteriores. 

Não seria incomum que as famílias tivessem bebês ou crianças pequenas morressem de uma doença. Essas fotos post-mortem muitas vezes serviam como a única documentação que essas famílias já tiveram da vida desses entes queridos. No entanto, não foram apenas os jovens que foram fotografados; adultos e idosos também foram capturados em muitas dessas fotografias.

Como os fotógrafos tiraram as fotos

A fotografia post-mortem envolvia muitas técnicas e estilos diferentes. A mais simples é de um corpo deitado em uma posição natural de dormir, como em um berço ou em uma cama. 

Às vezes, membros da família seguravam os corpos ou até os apoiavam em uma cadeira. Em alguns casos, eles colocavam os corpos em caixões e os fotografavam em pé ou deitados. Os fotógrafos às vezes retratavam o falecido como vivo nas fotos. Às vezes eles pareciam adormecidos. 

Havia também várias engenhocas que incorporavam grampos e fios que sustentam o corpo na posição vertical para fotografias. Às vezes, essas fotos eram de um único assunto; às vezes consistiam em famílias inteiras que morriam juntas.

O pensamento da fotografia post-mortem no mundo de hoje pode parecer pouco convencional ou mórbido porque a fotografia é uma parte normal da vida cotidiana. 

Vivemos em um mundo diferente agora, onde todos foram fotografados ou filmados em algum momento de suas vidas. Um membro da família em luto pode simplesmente olhar para uma página do Facebook ou álbum de fotos se quiser relembrar um ente querido.

Deixe seu comentário!