Flygskam: suecos tem vergonha de voar

As viagens aéreas estão perdendo rapidamente o seu encanto à medida que o “flygskam” (“voo da vergonha” em sueco) decola em toda a Europa.

Emergindo na Suécia no ano passado, o neologismo “flygskam” refere-se ao sentimento de vergonha de embarcar num avião devido ao seu impacto negativo no meio ambiente.

Embora as emissões diretas da aviação respondam por apenas 3% do total de emissões de gases de efeito estufa da União Européia, também é verdade que, em uma medida de CO2 emitida a cada quilômetro percorrido por um passageiro, o transporte aéreo é o meio mais poluente de transporte com 285 gramas de CO2 por passageiro / quilômetro.

Além disso, as emissões das viagens aéreas estão acelerando significativamente mais rápido que outros emissores de CO2. Tanto é assim que os dados da ONU projetam que, se houver previsão de cortes em outros setores, a aviação poderá se tornar o maior emissor de dióxido de carbono dentro de 30 anos.

Em tudo isto, os suecos são (ou costumavam ser) viajantes frequentes. De acordo com um relatório encomendado pela Agência de Proteção Ambiental da Suécia, em 2017 o setor total de aviação da Suécia foi responsável por 1,1 tonelada de emissões por pessoa, cinco vezes a média global de 0,2 tonelada por pessoa.

Tagskryt, orgulho de viajar de trem

Com o Flygskam tornando as viagens de avião um comportamento negativo, o país também começa a explorar a palavra “tagskryt”, onde os suecos expressam o orgulho de viajar de trem, um meio de transporte mais ecológico.

Deixe seu comentário!