Existe algo como cérebro masculino e feminino?

Vivemos em um mundo de estereótipos de gênero. Adoramos classificar as pessoas em caixas bem rotuladas e gênero é uma dessas construções. O peso das expectativas começa antes do nascimento e nos segue por toda parte, nos confinando a camisas de força e garantindo que não nos desviemos em domínios destinados ao outro gênero.

Existem vários estereótipos sobre nossas capacidades com base no gênero, que são amplamente citados como fatos – As meninas são ruins em matemática, as mulheres não podem dirigir, etc. Mas há alguma verdade em tais argumentos?


Eles nascem com diferentes tipos de cérebros que lhes dão capacidades diferentes?

Para saber toda a verdade por trás disso, precisamos retroceder e voltar à origem do cérebro no útero.

Dimorfismo sexual no cérebro

O plano padrão para um feto dentro de um útero é se desenvolver em uma fêmea. Para reverter isso e permitir que um feto se transforme em um macho, é necessária a ajuda de um pequeno trecho de DNA ou de um gene chamado região SRY no cromossomo ‘Y’ masculino.

Este gene suprime o desenvolvimento das partes reprodutivas femininas de acordo com o plano padrão e dita o desenvolvimento das partes masculinas. Este evento só ocorre em torno de 6-8 semanas após o desenvolvimento do feto. (Sim, todas nós éramos inicialmente mulheres!)

Uma vez que essa “troca” metafórica de gênero do gene SRY está ligada, ela afeta nossa fisiologia de várias maneiras, e nosso sistema nervoso não fica imune a ela. Como resultado, o cérebro se desenvolve ligeiramente diferente em homens e mulheres, o que é chamado de “diferenciação sexual”.

Esse processo dá origem a características de aparência distinta nos cérebros de machos e fêmeas, assim como as distinções no sistema reprodutivo. Essas características são apropriadamente denominadas como “sexualmente dimórficas” (‘di’ significando dois, e ‘morph’ significando forma).

Um dos exemplos mais conhecidos disso é um aglomerado de neurônios na medula espinhal chamados neurônios “bulbocavernosos” (SNB). Esse aglomerado, que inerva os músculos do órgão reprodutor masculino, é conhecido por ser mais bem desenvolvido nos machos do que nas fêmeas.

Em um feto feminino, esses neurônios sofrem “morte celular” ou apoptose, enquanto nos machos são poupados, levando à formação de um núcleo bulbocavernoso denso. Da mesma forma, foram relatadas diferenças no volume de uma estrutura chamada amígdala que favorece os machos. Essa estrutura está intimamente ligada à região olfativa (que lida com o cheiro) e medeia comportamentos como respostas a feromônios femininos em machos.

Em contraste, as fêmeas desenvolvem mais neurônios e volume em uma estrutura chamada Locus coeruleus, que é responsável pelo comportamento e excitação relacionados ao estresse. Isso é útil para entender a maior incidência de comportamentos de risco resultando em consequências fatais em homens, por um lado, e a alta incidência de transtornos relacionados ao estresse e ansiedade em mulheres, por outro.

Os machos evoluíram para exibir mais agressividade, o que melhorou suas chances de parceiros em potencial.

Esses exemplos deixam claro que a maioria dos casos de “dimorfismo sexual” no cérebro evoluiu para equipar os organismos para realizar seus respectivos comportamentos reprodutivos e funções relacionadas.

Diferenças anatômicas entre os sexos no cérebro adulto

Além das distinções inerentes aos cérebros de ambos os sexos, existem diferenças que aparecem na idade adulta?

Essa é uma pergunta que os pesquisadores tentam responder há muito tempo, comparando os cérebros de adultos de ambos os sexos.

Várias diferenças gerais na anatomia do cérebro foram observadas entre machos e fêmeas. Sabe-se que os cérebros masculinos são cerca de 10% maiores que os femininos e também mais pesados. Essa diferença é perceptível entre os gêneros no próprio nascimento.

No entanto, isso se deve em grande parte à diferença de estatura física e muitas vezes desaparece quando homens e mulheres com o mesmo peso são comparados. Outra diferença notável é o maior volume no córtex ou na parte externa do cérebro nas mulheres.

Isso é facilmente explicado devido ao tamanho menor do crânio nas fêmeas, devido ao qual o cérebro tem que ser mais compactado do que nos machos.

Diferenças comportamentais entre os gêneros e sua ligação com o cérebro

Homens e mulheres são conhecidos por terem capacidades cognitivas diferentes. Por exemplo, as estratégias de processamento emocional, visuoespaciais e de agressão que o cérebro usa são conhecidas por serem diferentes com base no gênero.

Mas essas diferenças não estão de forma alguma ligadas a diferenças na inteligência geral.

Infelizmente, estes são muitas vezes mal interpretados na forma da superioridade de um gênero sobre outro e muitas vezes usados ​​para reforçar os estereótipos de gênero existentes. Isso é tão prevalente que um novo termo “neurossexismo” foi cunhado para esse fenômeno!

Vejamos os exemplos populares de estereótipos de gênero e sua ligação com as habilidades cognitivas.

1 – Cognição espacial em gêneros

Um exemplo popular que é usado para defender as diferenças de gênero é a vantagem que os homens têm na cognição espacial, muitas vezes usada para o argumento de que os homens são melhores motoristas.

Testes de cognição espacial verificam a capacidade de um indivíduo em combinar uma determinada forma com versões tridimensionais giradas espacialmente da mesma forma.

Quando comparado a este teste, encontra-se uma diferença moderada de gênero, mas esta desaparece quando os tempos de teste são maiores. Além disso, em média, as atividades extracurriculares que os homens gostam, incluindo videogames e esportes, dão a eles mais treinamento e exposição à rotação mental.

Tendo isso em mente, quando ambos os sexos recebem treinamento igual em tarefas de rotação mental, essas diferenças não apenas desaparecem, mas as mulheres mostram mais melhorias! Também é importante notar que este teste é inerentemente tendencioso para homens porque a estratégia padrão para comparar objetos em homens é a rotação mental, enquanto mulheres usam comparações de características.

Embora a mídia popular seja rápida em informá-lo sobre quaisquer estudos que relatem a vantagem masculina, há um outro lado que muitas vezes não é relatado. As mulheres mostram uma vantagem na rotação espacial quando solicitadas a reimaginar os objetos como figuras humanas! Essa descoberta é perspicaz porque as mulheres são capazes de ter um bom desempenho quando o teste é reformulado como algo com uma “vantagem feminina”, como inteligência social.

Isso mostra que o conhecimento inerente de um estereótipo pode afetar o desempenho de um determinado gênero em um teste. Outra descoberta impressionante e interessante é que as fêmeas mostram uma vantagem na rotação mental em tribos matrilineares!

Portanto, o efeito de configurações patriarcais na vantagem masculina em tais testes não pode ser descartado.

2 – Gênero e habilidade matemática

Outro estereótipo dominante é que os homens têm habilidades matemáticas superiores às mulheres. Essa afirmação é muitas vezes baseada na sub-representação das mulheres em carreiras tradicionais que envolvem o uso da matemática, como engenharia (o que em si é problemático).

Estudos investigando habilidades cognitivas subjacentes à habilidade matemática em bebês e crianças pequenas não relatam diferenças entre os sexos. Isso é apoiado por estudos com mais de 7 milhões de crianças nos Estados Unidos, desde a 2ª até a 11ª série, onde não foram observadas diferenças entre os sexos nas habilidades matemáticas.

No entanto, apesar de tais evidências, estereótipos como “meninas não sabem fazer matemática” continuam a florescer. Os estereótipos propagados pela mídia e as crenças em seu ambiente mostraram afetar a atitude de meninas na escola em relação a assuntos “tradicionalmente masculinos”, como ciência da computação.

Assim, esses próprios estereótipos são responsáveis ​​por dissuadir as mulheres de entrar em campos dominados por homens.

3 – Gênero e Emoção

Do outro lado do debate de gênero, costuma-se afirmar que os homens costumam ser menos emocionais, carinhosos ou sensíveis.

Isso se baseia em pesquisas altamente falhas, que envolvem principalmente auto-relatos que não são objetivos. Quando grandes amostras de homens e mulheres são testadas em medidas objetivas de empatia, julgamento moral, etc., tais diferenças não são encontradas.

Qual é a última palavra sobre o debate sobre cérebros masculinos e femininos?

O estudo mais recente, que estudou mais de 2.000 cérebros como parte do Human Connectome Project, demonstrou que a maioria das diferenças comportamentais observadas entre os sexos tem apenas uma associação fraca com a estrutura cerebral.

O estudo também observou que a maioria das diferenças observadas no cérebro se deve a diferenças no tamanho do cérebro e, portanto, devem ser interpretadas com cautela. Uma revisão recente de anos de estudos anteriores sobre diferenças de gênero em comportamento e habilidades afirma que a maioria das diferenças tem a ver com fatores como cultura, ambiente e diferenças individuais.

À luz dessas evidências mais recentes, é seguro dizer que não existe cérebro “masculino” ou “feminino”. Claro, existem algumas diferenças nos perfis cognitivos de ambos os sexos, mas isso não significa que eles nascem de forma diferente, e tem mais a ver com a forma como são criados de forma diferente.

A “natureza” não dita as diferenças de gênero no cérebro tanto quanto a “criação”!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like