Evolução pode favorecer a preguiça, segundo novo estudo

Em algumas espécies, a chave do sucesso pode ser mais a “sobrevivência dos mais preguiçosos” do que a “sobrevivência dos mais aptos”.

Em um novo estudo, o paleontólogo Luke Strotz, da Universidade do Kansas, e sua equipe analisaram mais de 300 espécies de lesmas, caracóis e moluscos que existiram nos últimos 5,3 milhões de anos.

Curiosamente, parecia que aqueles com altas taxas metabólicas eram mais propensos a serem extintos do que aqueles com taxas metabólicas mais baixas.

“Nós encontramos uma diferença para as espécies de moluscos que foram extintas nos últimos 5 milhões de anos e as que ainda estão por aí”, disse Strotz.

“Aqueles que foram extintos tendem a ter taxas metabólicas mais altas do que aqueles que ainda estão vivos. Aqueles que têm necessidades de manutenção de energia mais baixas parecem mais propensos a sobreviver do que os organismos com taxas metabólicas mais altas”.

As descobertas certamente fazem sentido – quanto mais energia um organismo requer, mais vulnerável ele é, especialmente ao longo de milhões de anos.

“Talvez a longo prazo a melhor estratégia evolucionária para os animais seja seja atividade lenta – quanto mais baixa a taxa metabólica, maior a probabilidade de sobrevivência das espécies a que você pertence”, disse o biólogo evolucionista Bruce Lieberman.

“Em vez de ‘sobrevivência do mais apto’, talvez uma metáfora melhor para a história da vida seja ‘a sobrevivência dos mais preguiçosos’ ou pelo menos ‘a sobrevivência dos lentos’.”

Deixe seu comentário!