Eureka! Quem foi o matemático grego Arquimedes?

Por que os navios flutuam na água quando na verdade eles deveriam afundar? Por que o papel flutua na água e peso de papel afunda?

A resposta a estas questões foi acidentalmente descoberta há 2200 anos pelo inventor e matemático grego, Arquimedes.

Um dia, enquanto entrava no banho, notou que a água se espalhava pelos lados. Em um instante, Arquimedes percebeu a relação entre a água que caíra e o peso de seu corpo – em outras palavras, ele descobriu por que alguns objetos flutuam e alguns afundam!

Arquimedes estava tão animado com a descoberta de que ele pulou do banho e se dirigiu para a rua, gritando triunfantemente: “Eureka!” ‘Eureka!’ (Palavra grega para ‘Eu descobri isso!).

A descoberta de Arquimedes, agora popular como o princípio de Arquimedes, explica por que os navios de aço, que pesam milhares de toneladas, flutuam.

Mas o que é o princípio de Arquimedes? Quando um corpo é imerso em água, ele experimenta uma força (conhecida como força de flutuabilidade).

Essa força é igual ao peso da água deslocada pelo corpo. Por exemplo, um pedaço de aço se afundará porque é incapaz de deslocar a água que é igual ao seu peso. Mas o aço do mesmo peso, mas em forma de tigela, flutuará.

Isso ocorre porque o peso é distribuído em uma área maior e o aço desloca água igual ao seu peso. Portanto, um navio pesado carrega porque seu peso total é exatamente igual ao peso da água que ele desloca. É esse peso que exerce a força flutuante que suporta o navio.

Arquimedes também é conhecido por seu extenso trabalho em geometria; e a invenção da alavanca e da polia. Ele também criou uma série de dispositivos mecânicos para a defesa de sua pátria – a catapulta e um sistema de espelho (para focar os raios do sol no barco de um inimigo, fazendo com que ele se incendie).

Em um achado raro, os cientistas recentemente conseguiram descobrir um manuscrito, a única cópia sobrevivente que contém a teoria de Arquimedes sobre flutuação e alguns teoremas mecânicos.

Particularmente interessante é o fato de que, em muitas partes do manuscrito, Arquimedes fornece explicações detalhadas usando diagramas. Os pesquisadores agora esperam obter uma visão valiosa sobre como a mente de Arquimedes funcionou e como ele foi planejar seus teoremas abstratos.

De acordo com historiadores, Arquimedes provavelmente escreveu seu manuscrito em rolos de papiro, de natureza frágil. Cerca de mil anos depois, os documentos foram copiados em folhas de couro e encadernados a uma forma de livro, para evitar sua deterioração.

Na Idade Média há cerca de 1000 anos, na Europa, monges cristãs frequentemente reciclaram obras de pergaminho. O conteúdo do pergaminho tinha pouco interesse para os monges, mas eles precisavam de materiais de escrita, então eles separaram o manuscrito original.

A escrita foi apagada raspando a pele e as páginas foram cortadas ao meio e reciclado em um livro cristão de instruções religiosas. As novas palavras foram escritas de lado no texto original. Tais trabalhos se tornaram conhecidos como ‘palimpsestes’ (grego para ‘raspado novamente’).

O manuscrito que está atualmente em estudo em uma universidade em Nova York é chamado de Palimpsesto de Arquimedes.

Durante 700 anos, permaneceu na Palestina e em Constantinopla, cidades que já eram centros de aprendizado. Em 1906, um estudioso dinamarquês descobriu o texto original mal legível por baixo.

O livro desapareceu novamente em torno de 1920 apenas para a superfície em uma casa de leilão, tão recentemente como 1998.

Agora os cientistas estão juntando as páginas cortadas e estão usando filtros ultravioleta e infravermelho para capturar imagens das palavras originais.

Tanto a luz infravermelha como a luz ultravioleta penetram o texto da superfície e se refletem. O texto refletido é gravado na câmera e revela detalhes que não são evidentes a olho nu.

O trabalho é bastante complicado, mas os cientistas esperam decifrar a redação em breve.

Deixe seu comentário!